Amanhã é feriado no Brasil. Dia de Nossa Senhora da Aparecida.

Curioso que existam tantos feriados santos em um país que oficialmente é laico. Mas não vou reclamar até porque tenho amor e respeito por Nossa Senhora e um país tão religioso como o Brasil não devia ser laico – e sim de todas as religiões.

Eu quando criança achava que o feriado era justamente pelo dia das crianças e acharia justo até caso fosse.

Em uma era de tanto ódio, tanto extremismo seja em relação a política, religiões, até mesmo esportes onde um mata o outro apenas porque torce por time diferente mostra que nos falta tudo que tem no dia 12.

Falta Deus no coração. Falta o nosso lado criança. Falta amor.

20151004_095149Nossa Senhora, Maria, o símbolo de todas as mães, aquela que viveu em função de seu filho e o acarinhou na hora da morte nunca lhe abandonando. Mãe de todos nós, de todas as crianças. De todos aqueles que tem amor no coração, que guardam sonhos, esperanças, anseios e a ingenuidade que os pequeninos têm.

Toda criança é um ser evoluído, um ser iluminado. Infelizmente o ser humano passa por um retrocesso em sua existência e costumam chamar esse retrocesso de vida adulta.

Eu que tenho a felicidade de conviver com quatro desses seres posso dizer que me tornei uma pessoa melhor, ou menos ruim, com essa convivência.

eric11737990_867220373327541_4060387085863797528_nPasso cinco dias da semana com dois deles, meus filhos Bia e Gabriel e nos fins de semana com Miguel e Daniel – meus enteados – e a cada dia aprendo mais com eles. Aprendo o poder da amizade, do companheirismo, da pureza, do perdão e do amor. Vejo a forma como “saem na porrada” e logo depois estão brincando juntos, como se protegem, como ficam de castigo e mesmo assim logo depois soltam um “eu te amo”. Como são capazes dos gestos mais nobres, bonitos e inesperados e assim derrubar um adulto que se acha tão esperto e vivido.

Emerson Braz e filhaQual momento da vida deixamos a pureza e nosso lado criança de lado? Qual momento ocorre essa traição? Nesse instante cabem as perguntas que devem ser as mais cruéis e difíceis de um adulto responder.

Você é aquilo que imaginou que seria quando criança? A criança que você foi um dia teria orgulho de você?

Não é porque viramos adultos que devemos deixar de ser crianças. Rimos delas porque acreditam em papai Noel, coelhinho da Páscoa quando elas que deviam rir da gente por não acreditar.

Por não acreditarmos em nós mesmo.

Acreditar que podemos fazer a diferença, conviver com a diferença e que podemos sim alcançar a felicidade do modo que sonhamos um dia. Quem acredita, quem tem fé é mais feliz. É horrível a vida daquele que não tem esperança.

FB_IMG_1444397806185O adulto se sacrifica, sofre pensando no futuro sem lembrar que o futuro não existe. O passado não se muda e o futuro só se forma quando vira presente. O momento de vida é esse. Que temos que ser felizes, criar, mudar nosso modo de pensar, o mundo ou o nosso mundo.

Se sacrifica pensando no futuro dos filhos, de suas crianças – esquecendo do presente.

Você tem dado atenção ao seu filho? Tem brincado com ele? Tem ido a suas festinhas no colégio? A atenção que pai e mãe dão hoje reflete no adulto de amanhã. Não há nada mais importante que a relação entre pais e filhos, desde os tempos de Maria.

Amanhã, dia 12 de outubro, vamos celebrar e trazer de volta a criança que tem em cada um de nós. Mostrar a nossos filhos esse lado desconhecido e fazer da vida uma grande brincadeira.

Brincando de ser feliz.

Twitter – @aloisiovillar

Facebook – Aloisio Villar

[N.do.E.: as fotos do post são dos filhos de colunistas e deste editor chefe do Ouro de Tolo. Na ordem: Aloisio Villar, eu, Affonso Romero, Emerson Braz, Jorge Farah e Walter Monteiro. PM]

filhas Walter I Filhas Walter II

2 Replies to “O 12 de outubro”

Comments are closed.