Categorizado | Orun Ayé

Uma questão de tempo

Tempo2

Ah o tempo que sabe todas as coisas…

Não adianta lutar contra ele, tentar subterfúgios ou mesmo enganá-lo. Não, não se pode enganar o tempo porque ele é implacável. Você pode mudar de casa, de país, de sexo, fazer plásticas, passar cremes, pode tentar virar outra pessoa que não adianta, o tempo sempre sabe onde está você, quem você é e se apresenta.

Se apresenta e passa. Passa numa velocidade alta e mesmo tão rápido você tem que tentar acompanhar porque pobre daquele que deixa o tempo passar, aquele que não percebe e quando vê ele já foi. O tempo não só passa, ele também transforma. Transforma nossos hábitos, forma de pensar, convicções, transforma nosso corpo. Com seu passar ele diminui coisas, aumenta coisas, faz outras desaparecerem ou muda suas cores. Algumas coisas caem, até o olhar muda e tudo isso é registrado, não por selfies como está na moda, mas por algo bem antigo chamado “espelho”. Ninguém fotografa melhor o tempo que o espelho, ninguém é tão cruel ou verdadeiro quanto ele.

O tempo não para já dizia o poeta com sua metralhadora cheia de mágoas. Não adianta tentar pará-lo, não adianta pensar no que ficou no passado porque o passado não se muda, não adianta pensar no futuro porque esse ainda não chegou, portanto não passou. O único momento em que podemos fazer algo é o atual, o presente e curiosamente o que menos prestamos atenção ou tentamos fazer algo.

Ansiamos pelo final de semana, por nosso aniversário, pelo Natal, reveillon, carnaval, formatura, casamento, chegada dos filhos, netos..e..e aí acaba. Ansiamos tanto pelas coisas que virão que esquecemos de desfrutar quando vieram. O tempo não dá segunda chance. O tempo lhe mostra que o ato de viver é uma contagem regressiva, um cronômetro que recebe start a partir do momento em que nascemos e a cada dia ficamos mais próximos da morte, eu estou mais próximo de minha morte que quando comecei esse artigo. Trágico isso? Não, é normal, morrer faz parte da vida, morrer é uma questão de tempo.

Pena que só percebemos essa contagem regressiva quando muitas vezes é tarde para aproveitar cada segundo do cronômetro.

O tempo que nos ensina a cada pedaço seu, que faz coisas importantes demais virarem desimportantes em sua passada. O tempo que leva seus amigos de infância para destinos diferentes do seu sem que perceba. Você lembra a última vez que saiu de casa com seus amigos de infância para brincar? A última bebedeira com a turma da faculdade? A cada dez anos renovamos quase por completo nosso ciclo de amizades e nem percebemos, o tempo está nas entrelinhas.

O tempo que aproxima duas pessoas e faz com que se apaixonem, o tempo que junta essas pessoas ao ponto de serem as mais importantes da vida uma da outra, que lhes faz criar planos, dividir sonhos, a mesma cama e pode fazer esse amor acabar. Tempo que pode fazer esse casal que não se conhecia e se apaixonou terminar, começar a se afastar até virar uma lembrança de “feliz aniversário” um para outro uma vez por ano até que nem isso resta.

Triste? Não porque o tempo também sabe ser generoso e criar outro ciclo de amor com outra pessoa, O tempo não para pro mal, mas também pro bem.

Bem que você poderia parar um pouquinho hein tempo?

Não, não precisa. Tenho muito para aproveitá-lo.

É tudo uma questão de tempo.

Twitter – @aloisiovillar

Facebook – Aloisio Villar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Visitas

Facebook