Categorizado | Orun Ayé

Adeus, Luzia

FB_IMG_1535972814975

Museu não é um artista
Você não precisa ir a shows ou espetáculos para admirar
Na verdade precisa nem ir, eu nunca fui ao Museu Nacional
Mas sinto sua ausência
Porque mais importante que minha presença nele
Era a sua presença

O Brasil que é um país sem futuro
Agora também é um país sem passado
Choram Marias, Clarices e Luzias
Nas cinzas do Brasil
Mas sei que uma dor assim pungente
Devia estar acima de ideologia, de qualquer vertente
Mas esquerda e direita já acharam culpados
É o lado contrário
Coxinhas e mortadelas não querem uma solução
Querem é ter razão

Políticos falam em reconstruir e deixar igual
Impossível, o tempo não para, não volta
Ele segue e quando não percebemos se vai
Não se reconstrói passado
Se lamenta

O Brasil arde na brasa da intolerância, ódio
Falta de amor
A dor maior não é perder um pedaço de nós
É perceber o pedaço que restou

Adeus, Luzia
Desculpa..

Twitter – @aloisiovillar

Facebook – Aloisio Villar

Uma resposta para “Adeus, Luzia”

  1. Rodrigo Vilela disse:

    Brilhante texto!

Trackbacks/Pingbacks


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Visitas

Facebook