Categorizado | Jogando nas Onze

Entre tapas e drones

Acabou uma semana polêmica, semana com assuntos bastante discutidos nos dois clubes brasileiros que ainda disputam competições internacionais. Assuntos relevantes, sim, e que dividiram opiniões.

Somos puristas ou antiéticos? Mimizentos ou pautamos pela seriedade? Faz parte do jogo ou é extrapolar? Os dois casos são diferentes, mas têm pontos em comum porque atraem opiniões divergentes, racionais, passionais e não se chega a um denominador comum.

Os dois assuntos são velhos, com requintes de ineditismo. Quem nunca viu jogadores do próprio time discutirem, brigarem e depois se entenderem até mesmo em peladas? Todo mundo já viu, mas jogador fazer gol e levantar dedo médio para companheiro de time foi a primeira vez. Quem nunca ouviu falar em histórias de espionagem no futebol? Todo mundo já ouviu, mas com drone é a primeira vez. Extrapolaram? É normal?

Acho os dois casos normais, mas extrapolaram por mais incoerente que seja essa declaração. Eu que nunca fui de jogar bola já saí de jogo muito p… da vida com cara que jogava do meu lado e depois me entendi com ele. Mais do que isso, essa situação passei muitas vezes em samba e passo até no teatro. De cabeça quente discutimos, falamos coisas e depois ta tudo bem então na briga dos dois não vi nada demais.

Mas existem regras e, por mais que uma discussão deixe de cabeça quente, é preciso manter um mínimo de racionalidade já que o Flamengo, clube que paga os salários dos brigões Felipe Vizeu e Rhodolfo, poderia ter perdido os dois expulsos e ser prejudicado. Acho que o clube levou bem o caso, puniu internamente, fez os dois darem entrevistas juntos dizendo que passou e encerrou o assunto.

Ao mesmo tempo em que acho, sim, notícia descobrir que o Grêmio usou um drone para espionar seus adversários também achei exagerado o desdobramento do caso. É antiético? Pode ser, mas o que é ética? Na faculdade aprendi que a ética é uma coisa relativa, que muda de pessoa para pessoa então se não há proibição em lei não dá para acusar de nada.

Na copa de 1970, o Brasil usava o técnico bicampeão do mundo Aymoré Moreira para espionar os adversários, hoje em dia usam drone. O que fazer? Impedir em lei? Mais fácil usar também e achar alguma alternativa para não ter seus treinos espionados.

Só discordo da afirmação do excelente Renato que “o mundo é dos espertos”, isso denota muitas coisas ruins que vem ocorrendo no Brasil, até porque aqui esperteza virou sinônimo de safadeza. Prefiro pensar que conquista o mundo quem pensa na frente, o Grêmio pensou na frente e quer conquistar o mundo. (N.do E.: Renato depois disse que quis dizer espertos no sentido de inteligência, não de safadeza).

Os dois times venceram suas partidas em casa sem conseguir grande vantagem, mas deu pra perceber que nem a briga nem o drone lhes afetaram e podem sim até ter unido mais suas equipes em busca dos objetivos. A polêmica? Essa continua, ela é parte importante do futebol.

Daqui a pouco surge outra.

Twitter – @aloisiovillar

Facebook – Aloisio Villar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Visitas

Facebook