Categorizado | Orun Ayé

Meus heróis morreram de overdose

Cazuzaot

Escárnio

substantivo masculino
1.
o que é feito ou dito com intenção de provocar riso ou hilariedade acerca de alguém ou algo; caçoada, troça, zombaria.
2.
atitude ou manifestação ostensiva de desdém, de menosprezo, por vezes indignada.
“olhou com e. para os eleitores que o vaiavam”

Essa é a definição de escárnio nos dicionários, mas poderia além disso ter uma bandeira do Brasil ao lado da definição. Foi assim essa semana que passou, o auge do escárnio, da zombaria, do menosprezo a todos nós.

É surreal o que acontece. Temer foi pego em gravações, tem diversos pedidos de impeachment na câmara dos deputados, pedidos de entidades sérias como a OAB e Rodrigo Maia trata com desdém. Aécio Neves não só teve seu pedido de cassação arquivado no senado como foi autorizado a voltar ao mesmo, Rocha Loures, o deputado da mala, foi solto, Gilmar Mendes se encontra com réus da lava jato na calada da noite, tudo isso ao mesmo tempo.

Cada vez mais claro que a única coisa séria nessa história toda foi a gravação envolvendo Romero Jucá dizendo que era um grande acordo envolvendo o Supremo, tudo. Não sou adepto da teoria da conspiração, nunca fui, mas está claro, evidente que existe esse acordo e nada podemos fazer em relação a isso.

Nada, absolutamente nada. Temos um governo corrupto, com presidente denunciado por corrupção pelo PGR (outro escárnio a escolha de Temer para o lugar de Janot), deputados pegos com propina, senadores grampeados falando em propina e nada acontece nem acontecerá porque estão todos unidos em um grande esquema. Um protegendo o outro, um grande pacto entre os três poderes e quando isso ocorre não há nada por meios legais que possamos fazer.

Únicas soluções seriam uma revolução popular, coisa que nunca irá ocorrer aqui já que nem ir para as ruas sem alguém mandar o povo brasileiro vai e uma revolução militar sendo que os militares hoje em dia só querem receber seu soldo e trabalhar em paz nos quartéis sem que alguém lhes encha o saco. Resumindo, não adianta uma parte protestar, fazer greve geral, se revoltar em redes sociais, adianta nada.

O sistema só cai quando ele quebra por dentro. Única chance de algo ocorrer é que aconteça uma briga entre eles como ocorreu no governo Dilma quando perceberam que se não tirassem a presidente todos cairiam.

Mas pelo menos o Brasil já achou seus vilões, os culpados por todas as nossas mazelas. Márcio Araújo e o funk. Sim caro leitor. Qualquer momento que você entrar em redes sociais verá gente protestando. Contra Temer? Aécio? Gilmar Mendes? Lula? Dilma? Não!! Contra o Márcio Araújo!! No dia em que Aécio foi liberado para voltar ao senado e Rocha Loures solto só se lia a torcida do Flamengo reclamando e ofendendo o Márcio.

Eu amo futebol, amo meu time, mas nunca o ópio do povo foi tão ópio. É muito mais fácil você fazer um movimento para vaiar jogador em estádio e protestos a frente de um CT que ir para a Cinelândia lutar por nossos direitos.

E nossos nobres parlamentares discutem agora a criminalização do funk. Finalmente, descobrimos que todas as nossas mazelas ocorrem por causa de um gênero musical. Não sou um dos maiores fãs do funk, apesar de gostar de vários antigos, mas o senado debater criminalização do funk é de uma palhaçada e babaquice sem limites.

Parece que fomos colocados dentro do filme Footloose e precisaremos de um Kevin Bacon com gravata borboleta aparecendo para nos salvar de um período de trevas e escárnio.

Um ritmo musical nunca será causa e sim consequência. Se a música algumas vezes exalta a violência, bandidagem, machismo, homofobia não é do nada, é pelo ambiente que essas pessoas nasceram e foram criadas, é pela realidade que elas vivem e retratam em suas músicas.

Impedir o funk, que nos faria ser provavelmente o único país do ocidente a proibir um ritmo musical, silenciaria a voz, mas não modificaria o pensamento.

Preferimos culpar jogador de futebol, culpar ritmo musical, nós do samba ficamos quase em silêncio quando ocorre acidente na Sapucaí com morte, mas nos unimos indignados e protestamos quando cortaram verba das escolas de samba. Somos assim. Conosco a prioridade vem por último.

Depois que vimos corruptos serem inocentados por excesso de provas não dá para negar que o Brasil caminha brilhantemente para o atraso.

Escárnio, deboche, zombaria. Nunca fomos tão sacaneados, tão violentados em nossos direitos e não temos ninguém pra falar por nós. Que falta faz Cazuza uma hora dessas.

Meus heróis morreram de overdose.

Meus inimigos estão no poder.

Twitter – @aloisiovillar

Facebook – Aloisio Villar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Visitas

Facebook