Categorizado | reAção

#DivinasDivas: as travestis que fizeram história no palco do Rival

1476795632_765137_1476796072_noticia_normal

O ano era 1964 e o Brasil começava a passar por um de seus piores momentos. A ditadura militar iria tirar, nos próximos 20 anos, a liberdade, direitos e a vida de muitas pessoas.

Paralelo a isso, a arte no Brasil não poderia parar. Na música, a Bossa Nova representava o país pelo mundo. A TV ainda era coisa da elite e rádio e teatro que comandavam ainda os grandes ídolos daquela época.

Na Zona Sul carioca, os shows das vedetes já estavam, aos poucos, saindo de moda e as casas de shows precisavam encontrar uma saída para atrair o público. Eis que o Teatro Rival abre as portas para um espetáculo com oito travestis.

Rogéria, Valéria, Jane di Castro, Camille K., Fujica de Holliday, Eloína, Marquesa e Brigitte de Búzios chegavam a fazer, no auge, shows doze shows por semana no teatro que fica na Cinelândia.

Toda a história delas é retratada no documentário “Divinas Divas” lançado nessa quinta-feira (22) em diversas cidades pelo país.

O documentário é a visão da atriz e diretora Leandra Leal, neta do dono do teatro Rival. Leandra quis falar do mundo em que ela cresceu. Falar dos corredores que foram sua casa na infância e sobre a importância dessas mulheres para ela e para a cultura brasileira.

Em 2004, as oito se reúnem novamente no teatro para um show comemorativo a pedido de Ângela Leal, mãe de Leandra, e colocam o nome do show de “Divinas Divas”. Dez anos depois, é a vez de Leandra convocar as Divas para o show e aproveitar e contar suas histórias.

O filme demorou quase dez anos para ficar pronto. Quando foi gravado, a discussão sobre gênero nem era pauta assídua como é hoje nos meios de comunicação e, por isso, não faz parte do enredo do documentário.

Contando as viagens para EUA e Europa, além de casos da noite carioca e a vida pessoal de cada uma, Divinas Divas traz uma história que não conhecemos. Traz representatividade para uma classe muitas vezes marginalizada. O documentário faz rir e chorar e mostra oito artistas que revolucionaram a sua época.

Serviço:
Nome: Divinas Divas
Ano: 2016
Direção: Leandra Leal
Elenco: Rogéria, Valéria, Jane di Castro, Camille K., Fujica de Holliday, Eloína, Marquesa e Brigitte de Búzios
Duração: 95 minutos
Classificação: 14 anos
Gênero: Musical; Documentário

Uma resposta para “#DivinasDivas: as travestis que fizeram história no palco do Rival”

Trackbacks/Pingbacks

  1. […] ao documentário “Divinas Divas” e fiquei encantado com as histórias dessas mulheres. Rogéria nunca quis deixar de ser Astolfo, […]


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Visitas

Facebook