Como prometido, hoje a segunda parte do post sobre as compras novaiorquinas. Falemos do outlet, o Jersey Garden.

Confesso que originalmente não estava muito disposto a ir ao “outlet”, mas dada a insistência de minha esposa, resolvemos ir sexta feira, dia 08 de novembro. E ela tinha razão: valeu muito a pena.

O Jersey Garden fica em New Jersey, perto do MetLife Stadium já abordado no post sobre a NFL. Ele tem uma grande vantagem sobre o WoodBury, o mais conhecido neste setor: é totalmente fechado e climatizado, o que em novembro faz bastante diferença.

Existe um ônibus que sai da rodoviária de New York rumo ao shopping, mas optei por um transfer. Dado o saldo das compras, foi a opção mais acertada, até porque precisei alterar durante o dia o horário de retorno e não foi dificuldade alguma. Além disso o serviço é em português e o motorista nos deu algumas dicas preciosas.

Na entrada se apresenta o passaporte e se retira um guia com descontos em diversas lojas, para ser apresentado no caixa. Entretanto, há lojas onde há outros cupons ou outras sistemáticas de desconto, então deve-se sempre prestar atenção na melhor forma de maximizar o benefício.

Também vale o mesmo do post de ontem: se estiver na gôndola “40% off”, o preço da etiqueta sofre um desconto correspondente ao informado no caixa. Também há muitas opções no estilo “compre um e leve o segundo pela metade do preço”.

Para o leitor ter uma idéia, eu passei sete horas dentro do shopping e não vi nem um terço do mesmo. Isto ocorre porque acaba se perdendo na infinidade de opções e, também, devido ao tamanho do mesmo.

Embora o conceito seja de “outlet”, não são apenas artigos que estão saindo de linha os ofertados: há bastante coisa de coleções novas. Além disso, artigos que lá estavam “saindo de linha” aqui são apresentados como novidade: vi um dos pares de tênis que comprei sendo anunciado como “lançamento”, na Centauro aqui do Rio…

Para a compra de tênis e material esportivo, as melhores lojas são as da Adidas e da Reebok. Na primeira, selecionei dois pares de tênis de couro – na etiqueta, US$39,95 – e quando passei no caixa o preço correto era de US$19,95. Quase voltei à seção para pegar mais um ou dois pares…bermuda knicks

Também há materiais de times da NBA a preços melhores, embora a maioria seja da temporada 2012/13. Comprei uma bermuda dos Knicks (ao lado, em foto de site especializado) a um preço bem em conta, bem como um boné para presentear meu sobrinho.  Há também camisetas e pares de meias a ótimos preços.

A loja da Adidas é uma em que os preços no caixa são menores que os colocados nas etiquetas, o que acaba trazendo boas surpresas na hora de pagar a conta. Algumas lojas oferecem a possibilidade de se pagar em reais no cartão de crédito, “travando” o câmbio na taxa daquele dia. Pode ser uma opção em tempos de volatilidade – e vale a pena usar o cartão de crédito ainda que com o ônus dos 6% de IOF cobrados na fatura.

Na Reebok nós tínhamos um cupom de 40% de desconto, que nos fora dado na loja da Toys no mesmo shopping. Antes da aplicação deste desconto, preços muito convidativos: camisetas de malha saindo a US$8 (na média) no esquema “compre uma e leve a segunda pela metade do preço”, tênis de couro a US$25 e tênis específicos para corrida a US$89, como o comprado por minha esposa. Isso com a vantagem de ter um produto quase exclusivo aqui, pois a Adidas, dona da marca, não a distribui aqui no Brasil.

Na Nike os preços estavam um pouco mais altos, mas ainda assim, garimpando, se acham pares de tênis a bons preços, meias e outros artigos. Artigos da NFL, somente dos times da cidade, Giants e Jets – basicamente camisetas e casacos, não vi camisas de jogo. Inclusive o casaco que comprei para ir ao MetLife no domingo subsequente, que havia visto a US$100 na Macy´s, com o “40% off” saiu a US$42.

Uma curiosidade específica da loja da Nike é que os pares de tênis não estavam atendendo à correspondência de tamanhos entre o padrão americano e o brasileiro: na prática, se você calça 41 aqui no Brasil, neste estabelecimento específico tem de buscar o equivalente ao 43. Existem tabelas de conversão nas lojas, mas em pesquisa rápida no Google também se encontram algumas tabelas bastante úteis.

Outra boa indicação é a loja Marshalls, que possui desde malas de viagem a cuecas de marcas como Calvin Klein e Puma a preços imbatíveis. Em termos de malas de viagem a relação custo benefício desta megastore é imbatível, com excelentes malas da Samsonite na faixa de US$100. Uma outra coisa é preferir as malas “de tecido” às tipo “caixa de ferramentas”, pois as primeiras são menos visadas pelo pessoal dos aeroportos e empresas aéreas.

Dica importante: viaje daqui com o suficiente para dois ou três dias de roupa somente, e deixe para comprar lá. Nós viajamos com duas malas pequenas e precisamos comprar mais duas no Jersey; só que a mala que minha mulher levou arrebentou e tivemos de comprar outra na loja da Samsonite em Manhattan.

Dica importante, parte II: pode-se alugar carinhos a US$6 para carregar as compras no Jersey Garden, sem limite de tempo. São úteis, mas para o transporte de volta o negócio é se colocar as compras nas malas compradas na Marshalls.

Outras lojas que valem a pena são as das griffes Tommy Hilfinger, Calvin Klein e de roupas femininas. A Toys do Jersey Garden também é interessante, em especial se sua criança quer porque quer o tal do “Furby”: é o menor preço disparado. Não cheguei a ir à loja da Disney Outlet por absoluta falta de tempo.

Uma sugestão é que, se houver tempo, procure reservar dois ou três dias da viagem somente para se explorar o Jersey Garden com calma. Outra sugestão – que eu não fiz, porque resolvemos ir quando já estávamos lá – é planejar antes as lojas que pretende visitar.

Vale lembrar que roupas e sapatos não entram na cota de US$500 dólares permitida pela Receita Federal, desde que caracterizados como de uso pessoal. Ou seja, leitor: retire todas as etiquetas, mesmo as de roupas e sapatos destinadas a presentes. Relógios também não entram na cota, desde que trazidos no pulso.

Pessoalmente só trouxe coisas para uso próprio – além de alguns presentes a familiares – mas entendo perfeitamente que existam pessoas que três ou quatro vezes ao não viajem apenas para comprar produtos visando à revenda. A diferença de preços é tão grande – fora a qualidade – que compensa perfeitamente o gasto com passagens e hospedagens. E dizem que Miami é ainda mais barata…

Dúvidas? Utilize a área de comentários. Espero ter ajudado.

8 Replies to “New York – Guia de Compras (Parte II: Jersey Garden)”

  1. Muito obrigado pelas dicas, serão muito úteis (irei para NYC agora em maio). Poderia passar informações/contato do transfer que usou para ir ao outlet? Obrigado, Alex

  2. Miami e Orlando já foram mais baratas! Se a pessoa quiser desconto e variedade, vai precisar procurar outlets sem brasileiros. As camisas polo da Tommy, por exemplo, dobraram de preço nos últimos 12 meses. Os cupons de descontos são bem rasos quando o outlet tem brasileiro. Enfim, Premium outlets são uma verdadeira arapuca, graças a nós, obviamente.

  3. Ola Pedro , pretendo ir neste outlet . As dicas são muito úteis. Vou para NYC no final de maio. Poderia passar informações/contato do transfer que usou para ir ao outlet? Grata Andrea

  4. Boa noite, trabalho fazendo viagem de Turismo pego e levo para o aeroporto, mall… serviço de taxi particular mais comodo e rápido, moro em NJ.
    Obrigado
    Junior 210—8108680 (WhatsApp)

Comments are closed.