E mais um ano se acaba.

Ano em que nos dividimos, ano em que odiamos, em que acabamos com amizades, que ano complicado..Pois é, ano que perdemos mais uma copa e ali nem tínhamos noção do que viria pela frente.

Carnaval em crise. As escolas de samba foram abandonadas por aquele que ajudaram a eleger. Pela primeira vez em anos não tivemos ensaios técnicos na Sapucaí, cortes na subvenção ocorreram durante todo o ano. A imagem do carnaval carioca ficou manchada com viradas de mesa, prisão do presidente da Mangueira, devassa em dirigentes da Grande Rio..Isso acarretou em perda de anunciantes, o carnaval ficando cada vez mais pobre financeiramente.

Mas rico em luta, cultura, samba no pé. Anos que o carnaval não era tão crítico. Três escolas vieram críticas no carnaval e se deram bem. Mangueira criticando diretamente o prefeito ficou em boa colocação. Beija-Flor com sua “crítica chapa branca” foi campeã com desfile polêmico, mas grande samba-enredo. A surpresa veio com o Paraíso do Tuiuti. Rebaixada em 2017, se beneficiou com a virada de mesa e alcançou um histórico vice campeonato com um senhor samba-enredo e um desfile em que chamava Michel Temer de vampiro.

Vampiro… Presidente se complicou esse ano. Muitas foram as denúncias que minaram suas esperanças de reeleição. Presidente mais impopular da história sai do governo pelas portas dos fundos e não será surpresa se visitar a cadeia em 2019. Visitar assim como quase todos os governadores do Rio de Janeiro nos últimos 20 anos visitaram, com alguns ficando.

Vergonha fluminense ao ver seu governador atual preso. Pezão termina o mandato preso. Lula está preso. O mais popular presidente da história do Brasil verá 2019 nascer quadrado. Poderia ter sido novamente presidente do Brasil, é apenas mais um detento. Herói para alguns, bandido para outros, a história mostrará de verdade quem é Lula.

Ano de quedas. Das quedas de Neymar veio a queda do Brasil na copa. Perdemos para a Bélgica em uma copa em que nenhum momento brilhamos. França com todo merecimento campeã. Futebol brasileiro não brilhou em 2018. Palmeiras, melhor elenco do Brasil e justo campeão brasileiro, ficou pelo meio do caminho na Libertadores. Todos ficaram. Exceção para o Atlético Paranaense campeão da Sul Americana. Futebol carioca? Melhor esquecer. Flamengo simboliza o fracasso carioca do ano ficando mais uma vez no cheirinho.

Perdemos Dona Ivone Lara. perdemos Stephen Hawking, quase perdemos Jair Bolsonaro, líder nas pesquisas presidenciais sofreu atentado no meio da campanha, atentado que mudou o curso das eleições e do Brasil. Mas nenhuma perda doeu mais que a do Museu Nacional. Séculos de história virando cinzas aos olhos da incompetência de nossos governantes.

Manchinha morreu para um mercado mostrar limpeza sujando de vez sua imagem. O maltrato dos animais continuou em alta em 2018. Maltrato aos animais, aos seres humanos. Nunca fomos tão odiosos, intolerantes, tão maus. Quem mandou matar Marielle Franco e Anderson Gomes?

Calaram a voz de uma guerreira e até agora a incompetente polícia fluminense não resolveu a questão. Polícia sob intervenção se mostra tão fracassada quanto antes. Marielle virou história, uma voz que não se calou e se tornou parte da maior música brasileira feita em 2018, o samba da Mangueira para 2019. Grandes sambas e grandes enredos nos esperam em março. Bom aproveitarmos antes que o carnaval acabe.

A democracia vai acabar também? Alguns dizem que sim, outros chamam isso de fake news. Fake News..Estrangeirismo da moda em 2018. De todas as partes notícias mentirosas, principalmente nas eleições. Uma onda conservadora misturada com desprezo a classe política elegeu uma série de políticos novos de direita. Até agora o fluminense não decorou direito o nome do governador que elegeu. Eleito, assim como muitos, na onda de Jair Bolsonaro. O deputado inexpressivo e polêmico se torna dia 1 presidente do Brasil. Desperta em muitos esperança, em outros medo. Assim como com Lula a história mostrará o lado certo.

História. O ano de 2018 está acabando e virando história. Para a maioria uma história ruim. Mas não somos nós que fazemos o ano? Todos os anos lamentamos como foi esperando que o próximo seja melhor. Talvez isso tenha que partir da gente, não de calendários. Que tal agirmos para 2019 ser bom?

E o resto vira história.

Feliz ano novo!!

Twitter – @aloisiovillar  

Facebook – Aloisio Villar  

Instagram – @aloisiovillar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.