Categorizado | Jogando nas Onze

A Copa alternativa

Suécia
Só conseguimos ter uma certeza em relação a essa Copa. Ela ferrou o bolão de todo mundo.
Escrevo essa coluna antes dos jogos de quartas de final, mas independentemente dos resultados teremos um finalista no mínimo insólito já que, em um lado da chave, a equipe que tem mais tradição é a Inglaterra, que só tem uma final de Copa, com conquista, no longínquo ano de 1966. Outra finalista foi a Suécia em 1958 perdendo para o Brasil. Independente do finalista dessa chave será alguém que ninguém esperava. Nem os próprios.
Por quê isso aconteceu? Vários são os motivos. Incompetência de gigantes como Alemanha e Espanha que não souberam por no campo o favoritismo que tinham. Incompetência da Argentina que nunca conseguiu formar um time de elenco tão valoroso. Incompetência de Portugal que só tem um jogador. Da Itália que nem para a Copa conseguiu ir, assim como a Holanda.
Também devido ao futebol reativo que foi tema de coluna recentemente… Equipes que sabiam ser mais frágeis e atuaram bem defensivamente neutralizando as equipes mais fortes. Foram poucas as goleadas e o abismo que existia entre essas equipes diminuiu consideravelmente.
E poderia ser mais alternativa ainda. Por pouco Japão e Dinamarca não se classificaram nos lugares de Bélgica e Croácia que se são países com pouca tradição no futebol ao menos tem equipes fortes com jogadores talentosos.
E assim caminha a copa mais imprevisível da história podendo também ter um campeão imprevisível. Façam suas apostas.
Ou não já que ninguém vem acertando.
Twitter – @aloisiovillar
Facebook – Aloisio Villar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Visitas

Facebook