Categorizado | Orun Ayé

O perfil do bandido

Metralhasaloisivillar

Com os tempo difíceis em que vivemos, tempos de insegurança, ódio e onde uma nova direita nasce o discurso da sociedade é contra bandidos, nenhuma tolerância com eles.

Evidente que ninguém gosta de bandidos, eu também não gosto e quero que todos sejam punidos, mas algumas coisas estão fora de sintonia e essa falta de sintonia é tão evidente que não entendo quem defende essas teses equivocadas não perceber.

Uma é que surgiu um papo no Brasil contra os direitos humanos. É meio surreal alguém ser contra um direito seu, mas aqui tem gente que pensa assim. Formularam uma ideia sobre direitos humanos, pensam nos direitos humanos como um grupo de vagabundos esquerdistas com sala alugada no centro da cidade e que vivem exclusivamente para defender bandidos e que dão a mínima para o restante da população, para o (eca) cidadão de bem.

Dentro dessa tese entra o maior equívoco que é sobre bandidos. O que é bandido para você? Qual a primeira imagem que vem a sua mente quando pensa em um bandido?

O Brasil é um país que se diz tolerante e sem racismo, mas tenho certeza que a maioria quando pensa em bandido pensa em um jovem negro e pobre com arma na mão assaltando. Sim, existem muitos jovens negros bandidos, não por coincidência é o grupo que mais sofre com a desigualdade do país, tem menos oportunidades e o que mais sofrem assassinatos.

Pobreza e falta de oportunidades são justificativa para criminalidade? Não, mas é um caso a pensar. Pensar que se mesmo com tudo isso contra não se justifica entrar na criminalidade o que justifica um homem branco, rico e que tem tudo na vida entrar?

Não passo a mão na cabeça do jovem negro que assalta, mas não tem como deixar de relacionar a existência desse bandido com os bandidos que tem tudo na vida e mesmo assim nos roubam milhões, bilhões fazendo desse país uma nação de miseráveis

Eu disse acima que não gosto de bandidos, não gosto de nenhum bandido, mas gosto menos ainda de políticos, não importa de que partido, e empresários que roubam. Acho absurdo o Lula consagrado como maior político dos últimos 60 anos, amado por um país ser preso se complicando por tão pouco. Acho nojento um homem como Aécio Neves que vem de uma linhagem de grandes políticos, teve quase tudo na mão e por pouco não foi presidente estar tão sujo. Vejo esses, vejo outros presos, os políticos do PSDB impunes e chego a conclusão que o bandido batedor de carteiras é o menor dos nossos problemas.

Gente que tem dinheiro, oportunidades, que corrompe e corrompido tinha que ter o dobro da pena porque graças a sua vaidade e ambição um todo sofre com as consequências.

Por isso não entra na minha cabeça o pensamento tão pequeno da sociedade brasileira que só olha para seu umbigo. Somos uma sociedade limitada que desde 1500 ataca as consequências, não os fatos, que ataca um aos outros e reelege o safado que lhe impõe o medo, a insegurança.

Enquanto isso vamos nos preocupando com a carteira levada por bandidos sem perceber que já estava vazia devido a outros.

O problema não está nos direitos humanos, está nos humanos que pensam ter mais direitos que outros.

Se gritar pega ladrão…

Twitter – @aloisiovillar

Facebook – Aloisio Villar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Visitas

Facebook