Categorizado | Orun Ayé

O Sol Que Brilha Esta Noite é J. Brito

Domingo passado, logo no primeiro dia do ano, o sambista da Ilha do Governador teve uma notícia dolorosa: a morte do compositor J.Brito.

Vida de compositor não é fácil: poucos conhecem a pessoa por trás das obras que amamos, ainda mais compositor de samba-enredo que teve seu auge nos anos 80 e 90. Tive imensas dificuldades de achar uma foto de J.Brito no Google, não achei nenhuma. Então tive que pegar de um vídeo espetacular da internet.

O vídeo é da União da Ilha antes de seu desfile em 1990 (acima). O desfile que eu sempre cito que comecei a noite com toda família vendo e na hora da Ilha, a última a desfilar, só eu assistia, maravilhado, à sua apresentação e o samba que amo até hoje e é um de meus preferidos da agremiação. Acho até o samba injustiçado.

O tal vídeo mostra monstros sagrados da agremiação como Aurinho da Ilha, Franco e Bujão, simplesmente ao lado de Didi os maiores compositores da história da Ilha.

Um Franco emocionado e emocionando regendo a arquibancada e junto com essas grandes estrelas outro compositor do mesmo nível. Compositor com os olhos cheios de lágrimas, emocionado e sorriso tímido. Falo de J.Brito.

Aquele foi o terceiro e último samba que Brito venceu na União. Os outros foram o alegre “Extra, Extra deu Ilha na cabeça” de 1987 e o antológico “Festa Profana” de 1989 com os famosos versos “Eu vou tomar um porre de felicidade/Vou sacudir eu vou zoar essa cidade”.

Festa Profana, que compôs com Bujão e Franco, é um dos cinco sambas que eu considero que derrotaram as barreiras do carnaval junto com “É Hoje”, “O Amanhã”, “Festa para um Rei negro” e “Peguei um Ita no Norte”, sambas que viraram hits nacionais, até mundiais como o Festa para um Rei Negro, e que viraram músicas da MPB.

J.Brito venceu ainda dois sambas na Mocidade, um deles Estandarte de Ouro em 1997, e não venceu mais sambas. O poeta (sim, era letrista) que cursava faculdade, não bebia e era totalmente careta, do nada começou a beber, se tornou alcoólatra e não aos poucos trocou a caneta pela bebida.

Teve um último momento de brilho em 2005 quando a Porto da Pedra reeditou “Festa Profana”; tentou voltar algumas vezes a compor, concorrer, mas não conseguiu. Infelizmente seu talento tinha perdido para o vício.

Envelheceu em seu aspecto, não lembrava mais o jovem vencedor e faleceu de ataque cardíaco na virada do ano entristecendo todo o bairro.

J.Brito foi mais um caso de gênio que perdeu para sua genialidade. Acho que precisaríamos de um debate de psiquiatras para tentar entender porque isso ocorre. Eu acho que o gênio na verdade é um ser humano com todas as fraquezas e medos que todos nós temos com dom para algo que é acima da média e que muitas vezes esse dom vira um fardo, algo pesado demais que acaba isolando, deprimindo levando ao vício e a morte.

Como J.Brito temos inúmeros exemplos de artistas e atletas que não aguentaram. Gente como Kurt Cobain, Elvis, Marylin, Janis Joplin, Jimi Hendrix, Garrincha, Adriano Imperador e seu vídeo também da virada de ano que para mim só se compara a Garrincha sentado em alegoria da Mangueira em 1980…

Não, não exagero quando comparo J.Brito a essas pessoas. J.Brito foi um dos grandes, foi gigante. Foi um dos caras que estabeleceu o conceito União da Ilha de fazer samba-enredo. União da Ilha que é a maior hitmaker do carnaval.

J.Brito foi mais um dos poetas trágicos que sucumbiu a dor. Eu surgi no samba no ano que ele venceu seu último e por muitos anos fui comparado com ele por ter feito faculdade, ser letrista e não beber – o que me dava grande orgulho.

Mas não existe comparação. O que ele fez nunca conseguirei.

Fica a frustração de nunca ter feito um samba com ele e ficam as história de como ele, quando surgiu no Boi da Ilha, subia ao palco que ficava no segundo andar da quadra e praticamente se jogava de lá regendo a torcida em seus sambas. J.Brito era todo coração, justo o coração que lhe matou.

Mas poetas não morrem, suas poesias são imortais.

O Sol que brilha essa noite é J.Brito.

Valeu, Brito!!!

2 Respostas para “O Sol Que Brilha Esta Noite é J. Brito”

  1. neuza disse:

    Bela Homenagem. Conheci menino o nosso Jorginho, acompanhei muitos momentos Felizes da carreira dele e depois perdi o contato, até a triste noticia de seu falecimento, Uma pena ,um grande compositor, uma alma boa e uma veia poética belíssima. Fica na Paz menino Jorginho

  2. Siimaica Moreira disse:

    Que homenagem linda ao nosso querido J.Brito! Ao meu eterno namoradinho de adolescência deixo o meu carinho e todo meu afeto e pra sempre vai ficar em meu coração♥
    Descanse em paz nos braços de siDeus meu querido J.Brito♥

Trackbacks/Pingbacks


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Visitas

Facebook