Deprecated: get_the_author_ID está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use get_the_author_meta('ID') em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Deprecated: attribute_escape está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use esc_attr() em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Deprecated: attribute_escape está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use esc_attr() em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Chegou a época em que é lembrado o que mais de importante aconteceu no ano, o que deu ou não certo, as perdas, os ganhos, enfim, grandes marcos. E a Copa do Mundo no Brasil foi, sem dúvida, um espetáculo que jamais será esquecido. Mesmo com a Seleção Brasileira não levando a taça em casa, vale a pena lembrar todos os melhores – e piores – momentos que rolaram dentro e fora de campo. Confira:

Abertura e jogo de estreia

A abertura foi muito criticada por vários aspectos. Faltou beleza, foi curta e decepcionou na execução. Teve apresentações de frevo, capoeira e forró mostrando, assim, características culturais do nosso país. A cantora Claudia Leitte subiu ao palco cantando ‘Aquarela do Brasil’. Após cantar essa música, se juntaram a ela o rapper Pitbull e a cantora pop Jennifer Lopez e, todos entrosados em palco, cantaram o hino oficial da Copa, ‘We Are One’. Foi o único ponto alto da abertura, apesar de ter rendido diversos “memes” mundo afora.

Logo em seguida, o Brasil entrou em campo contra a Croácia, levantando a arquibancada na Arena São Paulo. Com Neymar fazendo sua estreia em uma Copa do Mundo, a Seleção Brasileira marcou 3 a 1 contra os croatas. Não foi o show esperado, mas o time levantou a galera, que cantava a plenos pulmões o que foi o hino das arquibancadas “Eu sou Brasileiro, com muito orgulho, com muito amor!”

Primeira Fase

Caminho do Gol 1Logo de cara, a Copa teve uma Holanda já mostrando a que veio na Arena Fonte Nova, goleando uma das favoritas, a Espanha. Ali começou a ser traçado o fim do ciclo da Fúria e ficou firmado que a Holanda batalharia pela taça. Já a Argentina mostrou que essa rivalidade entre brasileiros e hermanos fica só na lenda, pois, com um Maracanã lotado, deu um espetáculo, levando os anfitriões ao delírio a cada toque de bola do Messi. Foi, sem dúvida, uma grande estreia e um show para os que lá estavam presentes. Foi um Argentina 2 x 1 Bósnia para ninguém colocar defeito.

França, Colombia e EUA fizeram o que era esperado, ou seja, ganharam. Mas o destaque mesmo para a primeira fase não foi o Brasil, que fizera jogos apáticos após a estreia, nem a Argentina de Messi, com toda a sua pompa, e sim, o Portugal do, até então, melhor jogador do mundo, Cristiano Ronaldo, sair de cena logo na primeira fase. Começou sua derrocada contra a Alemanha, no jogo em que foi goleado por 4 a 0. Depois desse jogo, até conseguiram um empate no 2 a 2 contra os EUA e uma vitória no ultimo jogo contra Gana, no Mané Garrincha, mas já era tarde. Portugal entrou em campo no primeiro jogo ovacionada e saiu, no último, vaiada.

Mas não só Portugal decepcionou na primeira fase de grupos. Itália e Espanha também não foram bem e sairam sem mostrar serviço. Irônico, já que as três favoritas deram lugar e brilho a seleções que vieram, ao que indicava, a passeio, mas que aos poucos, roubaram a cena. E o Brasil, bom, fez sua parte e se classificou, sem a garra que todos esperavam, para as oitavas.

Oitavas de Final

IMG_3098Para começar a nova etapa, um Brasil x Chile sofrido. Um jogo de roer todas as unhas conforme o tempo ia passando. Jogo este que terminou em seu tempo normal com um empate de 1 a 1, depois veio a prorrogação e a agonia só aumentava. A torcida calada. Levantava e cantava quando via que tinha como ganhar, mas em sua maior parte do tempo, apática ou desacreditada. Os jogadores precisavam pedir força – que nem eles estavam tendo mais – para que a torcida fosse um jogador a mais dentro de campo. Deu certo. A decisão foi para os pênaltis e Brasil ganhou, na base do sofrimento, por 3 a 2 em cima dos chilenos. Talvez, apesar de todas as dificuldades, o melhor jogo do Brasil na Copa.

A Colômbia venceu facilmente o Uruguai, a Holanda sofreu para derrotar  o México e a França passou pela Nigéria. A Argentina mais uma vez mostrou a que veio e fez sua parte contra a Suíça, se classificando para as quartas de Final. Já os EUA perderam para a Bélgica, e a Alemanha encontrou um desconforto com a Argélia, vencendo na prorrogação.

Depois de despachar Itália e Inglaterra na primeira fase, a Costa Rica enfrentou a Grécia e fez um dos jogos mais disputados da rodada, levando para os pênaltis e ganhando na Arena Pernambuco por 5 a 3.

Quartas de Final

20140704_145240Apesar do placar magro, a Alemanha não encontrou dificuldade em derrotar a França, no Maracanã. Com apenas um gol, eles tiraram uma das candidatas ao titulo de melhor do mundo, com categoria. Aliás, categoria essa que já começava a traçar o destino final desta seleção. Mostrando estabilidade dentro e fora de campo, a seleção alemã provou que estava disposta, concentrada e que nenhuma seleção abalaria isso.

Brasil x Colômbia. Um jogo que tinha tudo para ser um jogaço, virou algo para começar a esquecer o tão sonhado hexa. Os colombianos partiram com tudo para cima do jogadores brasileiros, a ponto de, em uma jogada proposital, embora o lateral Juan Zuñiga tenha negado com veemência sua intenção, fraturar uma das vértebras de Neymar, o tirando da Copa do Mundo. Uma das peças fundamentais para a conquista do titulo, o jogador foi retirado de campo e levado diretamente para o hospital. No momento em que ele cai em campo, o país parou. Todos os olhos voltados para ele que, em lágrimas, via sua chance de brilhar e ajudar a seleção brasileira, ir embora. O jogo a essa altura, já não era mais importante. O que mais importava para todos era a saúde de Neymar. Encerrava ali sua participação. Apesar do acontecido, Brasil derrotou a Colômbia por 2 a 1.

A Argentina sofreu para tirar a Bélgica, ganhando com apenas um gol. Já Holanda x Costa Rica foi o jogo mais marcante da rodada, sendo levado para os pênaltis e tendo a Holanda como a vencedora da partida por suados 4 a 3.

Semifinal

Começa aí o fim para a Seleção Brasileira. Sem Neymar e sofrendo o golpe de perder um dos seus principais jogadores, Brasil entrou em campo com aspecto esgotado, abalado, abatido, apático. Perdeu sua identidade e mostrou que não estava preparada para uma perda (Neymar) em um evento deste porte. Deixou que uma seleção como a da Alemanha (centrada e determinada) desse o show que era para ser deles. Os adversários, vendo a situação constrangedora na qual os anfitriões se mostravam, partiram com tudo e golearam de forma histórica os brasileiros com um 7 x 1 que jamais será esquecido. O Brasil mostrou a sua cara naquele jogo. Pôde-se ver que não havia estrutura técnica e emocional nos jogadores. A máxima que comprovou isto foi o choro, quase que infantil e compulsivo, do capitão Thiago Silva no jogo anterior, contra o Chile. Uma vergonha que nunca será esquecida, e que fez com que o título em casa fosse esquecido.

Holanda x Argentina (foto) fizeram o jogo que já era de se imaginar, equilibrado. Com direito a prorrogação e pênaltis. A seleção de Messi superou a de Van Persie no Itaquerão e conseguiu passar para a final.

Disputa pelo terceiro lugar e Final

Ainda sofrendo o golpe pela perda do Neymar no time, a Seleção Brasileira entrou em campo homenageando o jogador, dedicando o jogo a ele, porém, tudo ficou na homenagem mesmo, pois o Brasil se mostrou igual ao jogo contra Alemanha, só que dessa vez contra a Holanda. Essa ganhou sem a menor dificuldade em cima dos brasileiros e faturou o terceiro lugar no campeonato.

O Maracanã recebeu a grande final entre Alemanha e Argentina, com um show de encerramento que conseguiu superar o da abertura. Teve direito a Carlinhos Brown e Shakira cantando “La La La”, um dos hinos oficiais da Copa do Mundo Fifa. Uma festa bonita, digna de Copa, que conseguiu levantar a galera e fazer o seu papel.

A essa altura, o Brasil era Alemanha e não tinha como torcer para os antigos rivais. Foi mostrada aí a rivalidade entre os brasileiros e hermanos, a ponto de um país inteiro torcer para a seleção que nos goleou e manchou nossa reputação na história futebolística! Mas, a Alemanha, desde o inicio, mostrou a que veio. Se por um lado tinha Messi, do outro tinha o queridinho da Nação, Podolski, que abraçou o Brasil de forma única. Pouco jogou, é verdade, mas o que fez extra campo, valeu por todas as partidas. A seleção do Papa já aparentava cansaço e ajudou a adversária a ganhar sem dificuldade, fazendo assim, um Alemanha 1×0 Argentina. Na arquibancada era possivel ver, em meio a camisas do time alemão, as do time de maior popularidade no Brasil, a do Flamengo. Podolski, a essa altura já encantado com o país e com o Mengão, convocou a torcida Rubro Negra para comparecer em peso e fazer a festa no Maraca, formando assim, a Flalemanha.

20140704_120309A Copa do Mundo Fifa deixou o seu legado. Fez história. Foi tida como a Copa das Copas, onde o improvável aconteceu e espetáculos dentro e fora de campo foram vistos. Como esquecer a cordialidade dos brasileiros com os arqui inimigos argentinos? E a onda azul que eles fizeram na principal orla e cartão postal, Copacabana? Os gringos vieram, fizeram festa nas arquibancadas e nas ruas, se divertiram e puderam ver que, os brasileiros sabem receber e muito bem quem vem de fora. Tanto que alguns não quiseram mais ir embora.

Foi uma festa de ruas e caras pintadas. Foi uma festa em que teve manifestações, mas que não atrapalharam o andamento natural e bonito do evento. O hexa não veio, mas o brasileiro se divertiu e esbanjou simpatia de qualquer forma, seja na derrota ou na vitória. O que ficou de lição é que, para se vencer os grandes, tem de pensar e agir como tal, algo que a Seleção Brasileira tem muito ainda de aprender. E que venha a Rússia, em 2018.