Categorizado | Filho Pródigo

Um panorama da Série A do Rio de Janeiro

Depois de apresentado o panorama das 12 escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro, é hora de falar um pouco das 15 agremiações da chamada Série A, o segundo grupo, que desfila na Marquês de Sapucaí na sexta e no sábado de Carnaval. Algumas escolas mexeram bastante em suas equipes e 14 delas já tem enredo definido. Algumas, como o Império da Tijuca, já começam suas Eliminatórias de Samba-Enredo neste fim de semana.

A Série A de 2016 terá 14 escolas, mas ainda não há um consenso na Lierj, a Liga que organiza os desfiles, sobre como se chegará a esse número. Não se sabe se cairão duas e uma virá do Grupo B, ou se serão três escolas rebaixadas e duas ascenderão à Marquês de Sapucaí. Confira agora um panorama da movimentação das escolas, respeitando sempre a ordem das apresentações.

Sexta-Feira, 14 de fevereiro

Unidos de Bangu

“Imperium”. Depois de 29 anos longe da Sapucaí e de chegar até a enrolar a bandeira, a Unidos de Bangu volta ao segundo grupo logo no terceiro desfile após a reativação da vermelha-e-branca, que ascendeu aos grupos C e B nos últimos dois Carnavais. Para ao menos se manter na Série A, a agremiação comandada por Rafael Marçal falará sobre os mais diversos impérios que a humanidade já conheceu. A sinopse já foi divulgada e em breve devem aparecer os sambas concorrentes.

Apesar de estar “invicta” desde que voltou à ativa, a Unidos de Bangu mexeu em duas peças importantes. O carnavalesco Ney Júnior deu lugar a Petterson Alves, que assina seu primeiro desfile no Rio. Experiente no Carnaval de Vitória, ele estava na mais tradicional das escolas capixabas, a MUG. Nos microfones, sai a dupla Igor Vianna e Nino do Milênio e, a princípio, entra Marcelo Rodrigues, que estava na Cubango.

A escola da Zona Oeste, no entanto, ainda não desistiu da contratação de Wander Pires, recém-saído da Imperatriz. A diretoria de Carnaval e de harmonia também foi alterada, sendo agora ocupada por Gustavo Barros e Beto Manfredo, respectivamente.

20140228_210848Em Cima da Hora

“No Coração da Cidade: Uma História das Mil e Uma Noites: o Rio das Arábias”. Comemorando os 450 anos do Rio de Janeiro, a Em Cima da Hora fala sobre a história dos imigrantes árabes no Rio de Janeiro. Depois de conseguir um muito comemorado 13º lugar em sua volta à Sapucaí, a escola de Cavalcante recebeu seis sambas concorrentes e em breve dará início às suas eliminatórias.

Boa parte da equipe de 2014 foi mantida, com Marco Antônio de Carnavalesco e a dupla Antônio Carlos e Arthur Franco no comando do carro de som. A principal mudança é na Sinfonia de Cavalcante: Mestre Zumbi, um dos destaques da escola no desfile de 2014, deu lugar a Mestre Luciano, que faz parte da Bateria da Unidos da Tijuca. O diretor de harmonia Tikinho e a porta-bandeira Naninha são outros reforços da azul-e-branco para este Carnaval.

Império Serrano

“Poema aos peregrinos de fé”. Depois do sexto lugar pouquíssimo comemorado em 2014, o Império Serrano viveu um complicadíssimo processo eleitoral. Houve uma guerra de liminares entre situação e oposição e, embora com mérito de ações judiciais ainda a se julgar, a eleição foi realizada com apenas a presença da chapa de oposição.

A eleição de Vera Lúcia foi sucedida pelo anúncio da contratação do carnavalesco Severo Luzardo, que estava na Paraíso do Tuiuti, e do enredo, que falará sobre as diversas demonstrações de fé.

Na direção de Carnaval, Pedro Arídio deu lugar a Cosme Márcio. Na harmonia, sai Paulo Santti e entra a dupla Ferretti e André Marins. Ainda não há qualquer definição oficial, mas é provável que o intérprete Clóvis Pê não continue na escola. Feliciano Júnior e Raphaela Caboclo formam o novo casal de mestre sala e porta bandeira.

20140301_024609Paraíso do Tuiuti

“Curumim chama Cunhantã que eu vou te contar”. Oitava colocada em 2014, a Paraíso do Tuiuti tenta a volta ao Grupo Especial em 2015 com o enredo baseado na obra de Hans Staden, um alemão que, nos primórdios do Brasil, veio fazer uma expedição no litoral de São Paulo, mas acabou capturado por um tribo indígena. Depois de muito sacrifício, conseguiu se salvar e relatou a experiência em alguns livros, até hoje tratados históricos sobre o período em que colonizadores e índios se relacionaram.

Para substituir Severo Luzardo, chegou Jack Vasconcellos, vice-campeão com a Estácio de Sá. O coreógrafo Junior Scapin vem para reforçar a escola depois de sair do Império da Tijuca, substituindo João Suassuna e Narielli Nunes.

União do Parque Curicica

“Os 3 tenores… Do samba!”. Depois do sétimo lugar no Carnaval de 2014, a União do Parque Curicica vem sob nova direção. Saiu a Presidente Kátia Paz, que renunciou, e entrou Fábio Martins. Com ele, veio o renomado Paulo Menezes, ex-carnavalesco de Portela e Mocidade Independente, que desenvolverá um enredo homenageando “os três tenores do samba”: Monarco, Martinho da Vila e Arlindo Cruz.

Além de Paulo Menezes, a escola mexeu na Direção de Carnaval e na Harmonia, com as duplas Paulinho e Wanderson e Vitor Hugo e Xande Dias ocupando os respectivos cargos. Jeferson Souza substitui Wanderson na dupla com Mara Rosa, formando o primeiro casal de Mestre Sala e Porta-Bandeira da escola.

20140301_015803Unidos do Porto da Pedra

“Há uma luz que não se apaga”. Quarta colocada em 2014, a vermelha-e-branca de São Gonçalo parece enfim ter superado a turbulência vivida após o rebaixamento para a Série A, em 2012. Para tentar voltar ao Especial, a agremiação vai falar sobre a energia.

Para o lugar do assessor de imprensa que de uma hora para outra virou carnavalesco, Leandro Valente, veio Wagner Gonçalves, que estava na Inocentes de Belford Roxo. Consagrado na Unidos da Tijuca, Mestre Celinho passou também pela Inocentes, mas ficou fora do Carnaval de 2014 e, em 2015, substituirá Mestre Barrão na Bateria Ritmo Feroz.

Caprichosos de Pilares

“Na minha mão é + barato”. Depois de um resultado ruim – foi nona colocada, a Caprichosos de Pilares vem encerrar a primeira noite de desfiles falando sobre a história do comércio popular no Rio de Janeiro.

Apesar do ex-Presidente ter virado Presidente de Honra, a chegada de Gilberto Nilo a Presidência faz o Carnaval de 2015 ser chamado em Pilares como o Carnaval de “uma nova Caprichosos”, que também já recebeu seus sambas concorrentes. A eleição chegou a ser contestada na Justiça comum, mas ao final o resultado foi homologado.

Falando em resgatar a essência irreverente da escola, Leandro Vieira parte para seu primeiro voo solo após aparecer com destaque na pesquisa de enredos e como assistente em algumas escolas, como a Imperatriz Leopoldinense. Mudança também na direção de Carnaval, onde Alex FAB deu lugar a Jeferson Carlos. Beth Bejani passará a auxiliar Hélio Bejani na Comissão de Frente.

Sábado, 15 de fevereiro de 2014

20140301_223306Alegria da Zona Sul

“Kari’oka”. Última dentre as que não foram rebaixadas em 2014, o Alegria da Zona Sul vem em 2015 exaltar a malandragem do carioca. A única mudança na equipe da escola se deu na Direção de Carnaval: Flávio Mello deu lugar a Mauricio Dias. A porta-bandeira Eliana Fidélis não continuará na escola, mas o Alegria ainda não anunciou sua substituta.

Acadêmicos de Santa Cruz

Ainda não definiu enredo. 12ª colocada em 2014, a Acadêmicos de Santa Cruz é a única escola da Série A que ainda não escolheu seu enredo. O Presidente Zezo, após sucessivos desentendimentos com o profissional, perdeu o carnavalesco Sylvio Cunha e deve montar uma comissão de Carnaval para substituí-lo.

Nome conhecido na União da Ilha, Mestre Riquinho chega com a responsabilidade de levantar as notas da escola no quesito bateria, que não estavam deixando Zezo nem um pouco satisfeito. Chega um nome famoso, sai outro. Paulinho Mocidade optou por não continuar cantando pela agremiação da Zona Oeste no Carnaval 2015.

20140301_033400Inocentes de Belford Roxo

“Nelson Sargento – Samba inocente, pé no chão”. Depois de um muito questionável décimo lugar em 2014, a Inocentes de Belford Roxo vem com mais um grande enredo para a Marquês de Sapucaí: uma homenagem ao grande sambista Nelson Sargento. E mudanças não faltam neste pré-Carnaval. A família Gomes continua no comando da Inocentes, mas o bastão passou de Reginaldo para Rodrigo.

Ciganerey não vai mais cantar pela escola e será substituído por Nino do Milênio. Marcelo Varanda substituirá Waldir Gomes na direção de Carnaval e Greg Tavares entra no lugar de Saulo Tinoco na harmonia. O casal de mestre-sala e porta-bandeira também foi totalmente reformulado, com David Sabiá e Fernanda Love dando lugar a Douglas Valle e Priscila Costa. O coreógrafo Patrick Carvalho será substituído por Vivian Borges.

Unidos de Padre Miguel

“O Cavaleiro Amorial Mandacariza o Carnaval”. Em ascensão cada vez maior na Série A do Rio de Janeiro, a Unidos de Padre Miguel vem prestar uma homenagem ao escritor pernambucano Ariano Suassuna. O Presidente Simões Gama renunciou ao cargo para trabalhar na Cidade do Samba e, futuramente, em São Paulo, enquanto Kenga deixou a Direção de Harmonia, que ficará a cargo de uma comissão montada pela escola.

20140302_212415Império da Tijuca

“O Império nas águas doces de Oxum”. Rebaixada no Grupo Especial em 2014, o Império da Tijuca mantém a tradição de enredos com temática africana ao falar de Oxum, orixá que reina sobre as águas, e mantém boa parte de sua equipe. Alterados até o momento apenas a direção de Carnaval, que agora fica a cargo de Aílton Freitas, e a Comissão de Frente, que passa de Júnior Scapin para Rafaela Machado.

Com 22 obras concorrendo para ser o hino da escola em 2015, o Imperinho dá início a suas Eliminatórias neste fim de semana. Falando em samba-enredo, a presença do intérprete Pixulé, destaque no Grupo Especial, ainda não pode ser dado como certa, já que ele pode estar na mira da Imperatriz.

Renascer de Jacarepaguá

Enredo ainda sem título anunciado. Com resultados cada vez piores, a Renascer de Jacarepaguá tenta dar a volta por cima com uma homenagem ao sambista Antônio Candeia Filho, o popular Candeia.

As únicas mudanças na escola foram a saída do carnavalesco Marcus Ferreira, que deu lugar a Jorge Caribé, rebaixado em 2014 com a União de Jacarepaguá e as saídas de Marcelo Varanda e Greg Tavares das direções de Carnaval e Harmonia, dando lugar a Cláudio Russo e Leandro Germano. A escola já anunciou que apostará novamente na encomenda de samba-enredo e, dessa vez, deve recorrer à sambista Teresa Cristina, em parceria com Moacyr Luz.

20140302_055948Acadêmicos do Cubango

“Cubango, a realeza africana de Niterói”. Única escola de Niterói na Série A, já que a Viradouro subiu para o Grupo Especial, a Cubango mais uma vez presta homenagem ao continente africano, agora fazendo um paralelo com o próprio bairro em que está sediada, homônimo à escola e que teria origem em uma tribo africana.

Márcio Puluker deixou o posto de Carnavalesco da escola para Jaime Cezário, que já havia passado pela agremiação anteriormente. A escola trocou o casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, com Diego Machado e Natália (que foram para a Vila Isabel) dando lugar para Diego Falcão e Jaqueline Gomes, enquanto Roberto de la Costa fica responsável pela comissão de frente, que estava a cargo de Carlinhos Salgueiro.

A maior contratação, no entanto, foi no carro de som. Fora da Sapucaí em 2014 e uma das principais vozes do Carnaval Carioca, Nêgo chega a Niterói para cantar no lugar de Marcelo Rodrigues.

20140302_031108Estácio de Sá

“De braços abertos, de janeiro a janeiro, sorrio, sou Rio, sou Estácio de Sá”. Depois de ‘bater na trave’ em 2014, a Estácio de Sá tenta voltar ao Grupo Especial com uma homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro, sendo a única agremiação deste grupo.

Amauri Santos é o novo carnavalesco, substituindo Jack Vasconcellos. Marcinho substitui Daniel no posto de mestre-sala, enquanto Tony Tara deixa o posto de coreógrafo para Cláudia Motta.

Uma curiosidade é que pelo segundo ano consecutivo a Estácio de Sá tem um enredo de temática semelhante ao da Portela.

O leitor pode ouvir os sambas concorrentes das agremiações que já receberam suas composições em http://sambaderaiz.net/v7/carnaval-2015/

(colaborou o editor)

Imagens: Arquivo Pessoal do Editor

7 Respostas para “Um panorama da Série A do Rio de Janeiro”

  1. Bruno disse:

    Fico na expectativa pelo Império Serrano,quem sabe dessa vez,a Coroa Imperial volte pro lugar que merece.

    • Pedro Migão disse:

      Bruno, infelizmente a situação do Império é muito complicada. Muito mesmo :(

    • Zeidon disse:

      Império Serrano tem tudo pra surpreender e levar o caneco, embora a coloco abaixo de Estácio, Império da Tijuca e Unidos de Padre Miguel que estão a frente. mas coloco-a junto com Inocentes e Cubango. Porto da Pedra, Caprichosos, Em Cima da Hora, Parque Curicica e Renascer não brigaram pelo título, mas não cairam . agora pra não ir a Intendente e as citadas anteriomente: Bangu, Santa Cruz, Tuiuti e Alegria

      • Zeidon disse:

        Quanto a que vem da Intendente, espero que seja uma destas: Lucas, Cabuçu, Ponte. mas tem Tradição e União de Jacarepaguá, as “donas da casa” e Rocinha. acho que a briga será boa nesse Grupo B, com 18 escolas de samba divididas em dois dias.

  2. Triste Império. A propósito, Pedro: Bangu, Santa Cruz, Alegria e Renascer devem se preocupar com a queda??

    • Pedro Migão disse:

      Muito cedo para avaliar isso ainda, Rodrigo

    • Zeidon disse:

      Não coloco Renascer, não? ainda mais por quê tem um dos melhores sambas do grupo, esse ano. agora Bangu, Santa Cruz e Alegria tem que se preoculpar, e coloco nesse grupo a Paraíso do Tuiuti que não gostei do samba e enredo.

Trackbacks/Pingbacks


Visitas

Facebook