Sem dúvida alguma, a notícia da Copa do Mundo ontem para nós brasileiros foi a confirmada exclusão do Morumbi e a possível da Arena da Baixada para a Copa de 2014.

Irei relatar aqui a visita que fiz à Arena Paranaense nesta visita a Curitiba. Àqueles que possam achar estranho eu ter ‘perdido’ uma hora e meia aproximadamente em uma visita a um estádio, explico que estas questões envolvendo gestão de futebol muito me interessam.

A Arena possui a fama de ser um dos locais mais estruturados do Brasil. O estádio possui um programa de visitas guiadas, em diversos horários diários.

Cheguei por volta de meia hora antes, paguei os R$ 10 cobrados – que inclui uma revista do clube – e aguardei em uma ante-sala onde uma televisão transmitia um vídeo institucional sobre o clube. A revista, bem produzida, me chamou a atenção pela reverência ao grande Flamengo de Zico em pelo menos duas ocasiões. Fiquei orgulhoso.

Guiados por uma funcionária do clube – que aparece em uma das fotos deste post – conhecemos as dependências do estádio, à exceção de pisar no gramado propriamente dito – embora a gente vá até a boca do túnel e possa tirar fotos no nível do campo.

A visita se inicia pelo anel inferior das arquibancadas, onde a guia mostra as características e explica as mudanças que serão feitas a fim de sediar os jogos da Copa de 2014. O que chama a atenção imediatamente é a perfeita visão do campo, muito superior que por exemplo o Maracanã. Óbvio que a distância das cadeiras para o campo é bem menor e isso ajuda, de qualquer cadeira do estádio se consegue ter uma boa visão do gramado. As fotos que coloco aqui dão uma boa medida disto que estou escrevendo.

Depois se vai ao anel superior das cadeiras e visita-se a área dos camarotes, bem como se entra no espaço reservado aos convidados do clube. Há um salão com uma exposição da “galeria de presidentes” e momentos históricos atleticanos, bem como outra temática referente à Copa. Também há a maquete do estádio após as alterações para os jogos do certame mundial.

Algo que me chamou muito a atenção foi o fato de os sócios torcedores do clube terem as suas cadeiras cativas no estádio. Todas com nomes e sobrenomes. A guia explicou que o número de ingressos disponíveis nas bilheterias é mínimo e visa muito mais atender ao Estatuto do Torcedor que propriamente a torcedores ou simpatizantes não-sócios. A visão dos nomes inscritos nas cadeiras é realmente impactante, para dizer o menos.

Depois a visita passa pelos vestiários e a sala de aquecimento. Ambos não possuem muito luxo mas são bastante funcionais e confortáveis, diria até. Curioso é que ainda havia uma bolsa de material, provavelmente esquecida após o jogo contra o Botafogo – realizado na quarta feira anterior.
Visita-se a sala de entrevistas, onde tirei uma foto à guisa de Rogério Lourenço – se ele pode, eu também. Fiquei curioso quanto à realização de entrevistas simultâneas, porque a distância entre as mesas do Atlético e da equipe visitante é muito pequena.
Fomos ao nível do campo após passar pelo túnel de entrada, visita à estrutura de estacionamento e restaurantes e término na loja oficial – onde ganhamos um “vale desconto” de 15%. A loja em si não é nada demais, ainda mais comparada com a mega loja da Olympikus na Gávea. Tanto que a camisa que eu queria não tinha no meu número, acabei levando uma rubro-negra e uma de goleiro – aumentando minha modesta coleção.
Devo dizer que como flamengo me senti envergonhado ao final da visita. Um clube como o Atlético, de expressão nacional muito menor, dá um banho em termos de estrutura – e olha que não estive no Centro de Treinamento. Sinceramente eu gostaria que os dirigentes do rubro-negro carioca fossem tão eficientes na administração dos recursos do clube como o foram nestas últimas décadas com a evolução de suas finanças pessoais.
Por outro lado, nem tem como comparar com a Vila Capanema, onde assisti a jogo anteriormente – tema de post aqui. A diferença é abissal. Também é inacreditável que o estádio eventualmente fique fora da Copa – como divulgado na data de ontem – para se erguer um novo estádio com clara vocação para superfaturamentos na construção e “elefante branco” após a Copa. Como diria o jornalista José Ilan, “a Fifa não sabe com quem se meteu…”
Recomendo muito aos leitores em visita à Curitiba que agendem um tempo para conhecer a Arena da Baixada. Vale muito a pena e dá uma boa noção de administração esportiva.
Também fica claro que, com toda a história e mística que tem, o Maracanã claramente está superado se analisarmos objetivamente os fatos. A começar pela distância do campo e suas dificuldades de atuação como uma arena multi-uso, entre outros fatores. A Arena Paranaense possui restaurantes e academia, entre outras facilidades.
Fotos:

1) no primeiro degrau das arquibancadas;
2) visão da arquibancada inferior, em um dos primeiros degraus;
3) visão da Arena;
4) distância para o gramado;
5) salão histórico;
6) vestiário do Atlético – com o material esquecido;
7) sala de entrevistas – meu dia de treineiro;
8) nível do campo, na saída dos túneis de acesso dos vestiários;
9) visão do anel superior das cadeiras;
10) ao nível do campo;
11) com a guia da visita;
12) abaixo, o novo lance de arquibancadas, com as obras;

18 Replies to “Visita à Arena da Baixada”

  1. Ok. Eu não sabia da existência desse “TUR” na Arena. Qundo ela era só a “baixada” eu costumava ir aos jogos do Atlético , e gritar como uma louca.
    Depois que ficou assim CHIQUE, fui duas ou três vezes apenas. E hoje em dia não me interesso tanto por futebol.

    Quando eu descobrir como faz pra por o link ponho o seu lá na minha pagina.

    saudações rubronegras.
    Do sul do mundo.

  2. òtimo post em Migão! Até dá pena do Flamengo…tanto potencial desperdiçado por tratantes mais interessados em outras coisas.

    O fato é que a tendência é eles nos ultrapassarem em força, pq quem se estagna morre. E o Flamengo é um clube estagnado.

  3. Quando Puder, Va até um Jogo do Clube Atlético Paranaense … vera q a torcida incentiva o tempo todo … mas após o final do jogo, e dependente do resultado vera o q é apoio, ou cobrança … abraços!

  4. o atlético pr é de longe o time mais avançado do brasil em termos de estrutura e gestao em futebol. se times de grandes massas fossem administrados assim no brasil iamos ter times mais fortes que o do real madrid

  5. E verdade, visitei o Rio tempo atras e pode comprovar qo Rio e a cidade maravilhosa …. peguei um taxista como guia ele era torcedor do America, e vui visitar os estadios ai do rio …. tirando o engenhao e o maraca todos eram estadio velhos, sujos e com cara de abandonado … falei nossa como um Flamengo, Vasco , Fluminense e Botafogo nao tem um estadio a altura …. este taxista disse q o problema e a cultura, e melhor meter a mao no jarro e encher o bolso do que construir um estadio … tb nao vi um centro de treinamento … o taxisista me disse q so megao q tinha alguma coisa parecida pq os demais nao tem ….
    mas vamos ver agora com a vinda da copa se futebol brasileiro evolua e possa ter estrutura digna de futebol brasileiro …

  6. agradeço aos amigos paranaenses pela visita.

    só discordo quanto à final da Copa, apesar de antiquado não há outro estádio que não o Maracanã. Até pela sua capacidade.

    saudações rubro negras cariocas

  7. sou rubro-negro do sul e concordo que não há outro estádio para se jogar a final de 2014 que não seja o maracanã. Se não pela estrutura e condições, pela história. Engraçado que eu fiz a mesma visita com a mesma instrutora semana passada, é muito bacana mesmo :)

  8. Atlético Paranaense sempre se superando isso que não viu o CT que tido e avido por muitos como o melhor do mundo…

  9. Não há como deixar a Baixada fora da Copa do Mundo de 2014.. assim como não há como a final não ser realizada no Maraca!

    Saudações rubro-negras e atleticanas!

Comments are closed.