Mais um carnaval findou e, com ele, vem o bate-papo sobre o que ocorreu, os desfiles e seu resultado, quem mereceu e quem não mereceu.

Um de nossos esportes preferidos é falar mal da apuração, mas aqui no Rio não tem muito o que falar pelo segundo ano seguido. Pelo segundo ano seguido, o vice-campeão conseguiu ultrapassar o problema da “bandeira” e pelo segundo ano seguido uma grande foi rebaixada. O problema vem depois, nas viradas de mesa, mas pelo menos na apuração está justo.

Ano passado, poucos acreditavam em um julgamento correto com o Tuiuti. Escola acabara de ser rebaixada e beneficiada com a virada, escola pequena, sem peso nenhum. Fez um desfile arrebatador e mesmo com esse nível de desfile duvidávamos até que pudesse ficar no especial. Não só ficou como foi vice campeã.

A Viradouro tem mais peso que o Tuiuti, é uma campeã do carnaval, mas veio da série A e essas escolas normalmente caem. Apesar de ter Paulo Barros e ser beneficiada por não abrir os desfiles no máximo se esperava que beliscasse um lugar nas campeãs, mas a escola brigou pelo título.

Grande Rio foi rebaixada ano passado mesmo sendo considerada a escola mais ajudada pelos jurados, Imperatriz foi esse ano mesmo com todos dizendo que sacrificariam uma menor para beneficiar as grandes. Repito, o que ocorre depois é outra questão, na pista os rebaixamentos vieram. E o que dizer do 11° lugar da Beja-Flor? Algo impensável, inacreditável, a escola foi muito bem julgada de forma inesperada.

Tivemos aberrações? Sim, a São Clemente muito aquém do que deveria, era pelo menos sétimo ou oitavo lugar, nunca flertar com o rebaixamento. Eu colocaria Mocidade e Tijuca um pouco mais acima e Grande Rio um pouco mais abaixo também, mas nada que mudasse a rotação da Terra. De resto estou satisfeito.

Mais uma vez uma escola com grande samba vence o carnaval mostrando a volta da força do quesito. Desde setembro falei que a Mangueira tinha a música do ano e essa música emoldurou o desfile do século com o carnavalesco mais criativo da atualidade. Samba-enredo é isso que a Mangueira mostrou na avenida, não o que o Império Serrano quis fazer, Crítica feita por mim desde o anúncio do samba.

É inacreditável, um crime o que a direção do Império fez com a agremiação e seus compositores, um crime o que a família do Gonzaguinha fez com sua memória. Uma obra prima da MPB se transformou no samba-enredo de pior nota da Sapucaí.

Nunca existirá unanimidade, sempre há questionamentos sobre resultados tão subjetivos como do carnaval, mas a impressão que dá é que eles estão aprendendo, pelo menos a julgar.

Falta aprenderem a manter o resultado.

Twitter – @aloisiovillar

Facebook – Aloisio Villar

Instagram – @aloisiovillar

5 Replies to “Parece que estão aprendendo”

  1. Em Sampa, também pode-se dizer que a campeã tem um ótimo samba, e nisso a Mancha sobrou em relação as outras 4 campeãs; desde de 2014, quem vence tem um grande samba enredo (exceção 2016), e que isso se mantenha.

      1. Verdade Pedro, estava lá. Foi um grande desfile com problemas estéticos, era para ter voltado no desfile das campẽas.
        PS: Não sou corintiano e nem torço pelo Gaviões kkkk.

      2. Migao, vc tem que ver o que o neto do Seo Nenê falando sobre o que o grupo atual comando a Águia da ZL fez com a família dele, um absurdo, tá no SRZD.

Deixe uma resposta para Matheus Antonio Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.