No segundo capítulo, temos uma condensação de algumas curiosidades postadas na thread, uma vez mais com algumas correções e adições.

Novamente numeradas, vamos lá:

1 – A subvenção da Prefeitura Municipal, alvo de grande debate neste pré carnaval, só pode ser utilizada em material.

A compra somente pode ser feita após a liberação da verba, ou seja: não se pode, por exemplo, comprar parcelado, emitir a nota fiscal antes da liberação dos recursos e pagar as parcelas com estes. Por isso é extremamente complicado quando há a liberação dos recursos próxima ao carnaval.

Outro ponto é que escolas de fora do município do Rio de Janeiro costumam receber subvenção também de seus municípios sede, o que especialmente nos grupos de Acesso é uma vantagem considerável.

Hoje, o maior peso financeiro no barracão para as escolas de samba do Especial é a confecção das fantasias das alas de comunidade

2 – A eleição na Portela, na verdade, é indireta. Os votos são para a chapa dos Conselhos Deliberativo e Fiscal, e estes elegem o presidente e o vice administrativos. Entretanto, a tradição é já indicar os candidatos a presidente e a vice administrativos quando da divulgação das chapas.

Os ex-presidentes da escola tem assento vitalício no Conselho Deliberativo.

– O Arrastão de Cascadura originalmente era vermelho e preto em homenagem ao Flamengo. Depois virou verde e branco, inspirado no Império Serrano. Seu primeiro desfile, em 1974, homenageou o clube, obtendo a oitava colocação.

4 – A Alegria da Zona Sul também mudou de cores em 2005, para o vermelho e branco atual. Uma homenagem ao então patrono Maninho, que apoiava financeiramente e com estrutura a escola.

5 – A União do Parque Curicica apresentou no Acesso B em 2006 um enredo sobre a comunidade LGBT. Cujo samba trazia em seu refrão o sugestivo verso “amor que pinta fica…”

6 – Hoje a menor distância entre quadras do Grupo Especial é a existente entre Portela e Império Serrano: cerca de um quilômetro separa as duas quadras – além de um habitual engarrafamento na estrada do Portela…

7 – Em seu cinquentenário, 2009, a Acadêmicos do Cubango reeditou “Afoxé”, de 1979, pentacampeonato do carnaval de Niterói.

8 – Até o início dos anos 80 o desfile das escolas de samba de Niterói era considerado por muitos o segundo maior do Brasil. Ele foi esvaziado com as vindas de Viradouro e Cubango para o Rio de Janeiro e experimenta uma retomada nos últimos anos.

9 – Depois que morreu, Chacrinha virou um tema amaldiçoado no carnaval. Todas as escolas de samba que o citaram de 88 para cá tiveram muitos problemas em seus desfiles – a última foi a Grande Rio.

10 – Para fazer enredo sobre Orixá é indispensável pedir permissão antes às entidades. Conheço diversos casos onde isso foi ignorado e a bomba estourou na avenida – Cubango 2005 e Vila Santa Tereza 2013 (acima) são dois exemplos, mas há outros.

11 – Chocolate é outro tema amaldiçoado no carnaval. A Caprichosos de Pilares foi rebaixada duas vezes com este enredo: 1996 e 2006.

12 – Há 20, 30 anos atrás era habitual passar uma bandeja com, digamos, “aditivo” na bateria antes do desfile. Liberado para quem quisesse.

13 – A Unidos do Porto da Pedra teve quatro presidentes no pré-carnaval de 2013.

14 – A Praça da Apoteose original foi pensada como um espaço para manifestações políticas. Lembrem os leitores que à época da construção, 1983/84, o Brasil vivia o início de uma retomada das liberdades políticas.

15 – O mais conhecido samba exaltação do Salgueiro normalmente é cantado apenas em uma parte nos desfiles, como esquenta. Isso se explica porque a segunda dele tem como um dos versos “não foi desta vez”, se referindo ao resultado do carnaval.

16 – A encomenda de sambas, sem disputa, não é algo recente. A primeira escola a se utilizar deste expediente de forma consistente foi a Tradição, que encomendava à dupla João Nogueira e Paulo César Pinheiro.

Também foi a primeira a fazer adaptações de sambas de meio de ano: 1985 e 1987 estão neste caso

17 – Em 2004 a Rocinha tinha em seu samba:

“Eu Bem Te Vi / Você sorriu / No carnaval da ilusão”.

Coincidentemente o apelido do chefe do morro aqueles tempos era Bem Te Vi, hoje já falecido.

18 – O único enredo de uma escola homenageando outra no hoje Grupo Especial foi o Salgueiro fazendo seu desfile sobre a Mangueira em 1972. Um desfile onde pairam suspeitas de boicote de setores da própria escola e onde houve problemas de atravessamento de canto.

19 – Oferendas, que a Unidos da Ponte irá reeditar este ano, é o único enredo da história que teve dois concorrentes indo à avenida: em 2011 um derrotado no concurso foi o samba da escola com o título “Orixás”. Obviamente, o Salgueiro esquentando no Desfile das Campeãs em 2017 com um samba derrotado não entra nesta estatística.

20 – A demissão do Joãozinho Trinta depois do mal fadado e censurado desfile da Grande Rio sobre a prevenção sexual foi a única de sua carreira. Em todas as demais escolas onde ele esteve, ou pediu para sair ou, no caso da Vila Isabel, a saúde não permitiu a continuidade do trabalho.

21 – Sobre a Estácio de Sá: esse marketing da escola de “descendente da Deixa Falar”, “primeira escola de samba do Brasil” é só isso mesmo: marketing.

A Unidos de São Carlos foi fundada mais de 20 anos depois do fim da Deixa Falar. As pessoas são diferentes, inclusive. A própria Deixa Falar jamais desfilou como escola de samba, tendo se transformado em rancho.

22 – Nos seus primórdios, a Unidos da Tijuca reunia sambistas do Borel e da Formiga. A Portela tem sua origem na confluência de dois fluxos migratórios para Oswaldo Cruz: um do hoje morro da Providência e outro da região de Minas Gerais em torno de Matias Barbosa

A Mangueira tem o nome de “Estação Primeira” porque à época da fundação era a primeira parada após a Central do Brasil. Hoje é a Quinta Estação.

23 – Um carro alegórico basicamente é um chassi de caminhão onde se colocam estruturas de ferro e madeira. Após esse processo de base se coloca a decoração, composta de forração de carro, esculturas e “queijos” para o posicionamento de destaques.

24 – A Nenê de Vila Matilde desfilou nas Campeãs do Rio de Janeiro em 1985, como campeã do carnaval de São Paulo. Foi a única vez em que isso ocorreu.

25 – No futebol você não pode ter o mesmo grupo comandando mais de um time na mesma divisão, mas nos grupos de acesso não há problema nisso. Existem alguns casos.

26 – Os primeiros grupos de reunião de internautas que gostavam de escolas de samba, ainda nas listas via email, foram a Rio Carnaval e a Academia do Samba.

A primeira existe até hoje. A segunda se dividiria em duas no ano de 2003, Planeta Samba e Monarcas do Samba – ambas oficialmente ainda ativas.

Outros dois grupos que se formaram por volta de 2000 através destas listas e são importantes até hoje são o Portela Web (que hoje é uma das correntes políticas de situação da escola e do qual sou um dos fundadores) e a SASP em São Paulo.

27 – Pombo é como é chamado o samba de enredo que um assina, mas o verdadeiro autor é outro. Toda escola tem.

Ao contrário do que muita gente pensa, o regulamento de desfiles do Especial permite assinar samba em mais de uma escola. Muitas vezes é uma proibição interna de cada escola, como por exemplo Portela e Mangueira – mas não somente elas.

Isso não impede os pombos, e às vezes eles até vencem o concurso… Na Série A hoje já é comum o mesmo compositor assinando em mais de uma agremiação.

28 – A Sapucaí não tem problema de incêndio por ser toda em concreto, mas com a superlotação das arquibancadas não aconteceu até hoje nenhum grande tumulto com pisoteamento de pessoas porque Papai do Céu não quis. Já escrevi sobre o tema neste blog algumas vezes.

29 – Celino Dias até 2019 era o único intérprete a cantar o samba reeditado tanto no desfile original como na reedição (Lins Imperial 1991/2007). Será igualado por Ernesto Teixeira, da Gaviões da Fiel (1994/2019).

Há uma diferença importante entre os dois: Celino Dias andou por outras agremiações entre um desfile e outro. Ernesto Teixeira sempre esteve na Gaviões da Fiel, ininterruptamente.

Uma outra curiosidade é que a Gaviões irá repetir a ordem de desfile de 1994: última de sábado. A diferença é que o desfile era apenas no sábado em 1994.

30 – Os prédios comerciais em torno do Sambódromo funcionam na sexta feira de carnaval apenas até por volta da uma da tarde, por conta dos fechamentos de ruas para a estrutura de concentração das escolas. Alguns sequer tem expediente.

31 – A última campeã inédita no Grupo Especial foi a Unidos de Viradouro em 1997.

32 – Tem uns 10 anos que não acontece nada, mas nos últimos 30 anos o emprego mais perigoso do mundo do carnaval era o de presidente da Estácio de Sá: foram 3 assassinados entre 1986 e 2008.

33 – A única vez em que “Portela na Avenida” e “Foi um Rio que Passou em Minha Vida” foram cantados juntos no esquenta da Portela foi no Desfile das Campeãs de 2017.

No terceiro e último resumo da série, algumas experiências minhas somadas a algumas pensatas sobre o mundo do carnaval. Até lá.

Imagens: Arquivo Ouro de Tolo

18 Replies to “Thread de Carnaval: Curiosidades”

  1. Ótima matéria!!!

    “9 – Depois que morreu, Chacrinha virou um tema amaldiçoado no carnaval. Todas as escolas de samba que o citaram de 88 para cá tiveram muitos problemas em seus desfiles – a última foi a Grande Rio.”

    Considero o México mais zicado ainda. Rebaixou a Imperador do Ipiranga em São Paulo (2005) e Viradouro no Rio de Janeiro (2010). Mas em 2018 a Unidos de Vila Maria “contrariou” e ficou em 9º. Inclusive Wander Pires cantou em 2010 e 2018 sambas do país referido.

    “11 – Chocolate é outro tema amaldiçoado no carnaval. A Caprichosos de Pilares foi rebaixada duas vezes com este enredo: 1996 e 2006.”

    Em São Paulo deu sorte para a Rosas de Ouro em 2010. A escola foi campeã mas teve que mudar um trecho do samba por pressão da Rede Globo que não iria fazer “merchan” gratuito para a Cacau Show (patrocinadora da escola). O trecho era: “…tá na boca do povo, o CACAU É SHOW…”, mudou para “…tá na boca do povo o CACAU CHEGOU…”.

    Abraços!

    1. Eu escrevi sobre esse episódio envolvendo à Rosas de Ouro à época, aqui mesmo.

      Aliás, quem tem mais rebaixamentos: Wander Pires ou Anderson Paz?

      1. Puxando a memória daria empate, 4×4, com Anderson Paz caindo com a São Clemente em 2002 e 2004, Rocinha em 2006 e Estácio em 2007, e Wander Pires com a União da Ilha em 2001, Viradouro em 2010, Porto da Pedra em 2012 e Estácio em 2016, mas após rápida pesquisa vemos que o Anderson Paz ganha, pois caiu com o Paraíso do Tuiuti para o Acesso B em 2010, tb com a Rocinha em 2012, porém ocorreu uma virada de mesa depois, até justa, considerando o absurdo que foi esse rebaixamento. Mas podemos aliviar a barra do Anderson Paz ao constatar que dos 4 rebaixamentos, 3 foram em escolas que abriam os desfiles do Grupo Especial, ou seja, pule de dez pra cair. Com o Wander, essa situação só foi ocorrer em 2016…

    2. Mas em compensação, teve problemas com a saia da porta bandeira! Só não foi rebaixada pq agiu rápido em colocar o segundo casal para se apresentar.

  2. Pedro, conforme já disse nos textos que você escreveu anteriormente sobre o assunto, morro de medo de acontecer o descrito no item 28, torçamos para que, caso continue esse absurdo da lotação nas arquibancadas, papai do céu continue ajudando…

    O item 1 valeria um texto a parte, pois, principalmente nesses tempos sombrios, o que tem de gente falando besteira em relação ao assunto da subvenção para o Carnaval é enorme. Inclusive o próprio mandatário da cidade… Acho que valeria o esclarecimento, até para podermos jogar uns fatos e números na cara dessa galera.

    1. Luis Fernando, eu estou querendo escrever sobre o ítem 1. Mas neste momento me falta tempo para empreender a pesquisa que se faz necessária. Tá na pauta.

    2. Sobre o item 28: eis que na véspera do começo dos desfiles, o Ministério Público pediu a interdição do Sambódromo por falta de alvará contra incêndio e pânico (leia se pisoteamento). A superlotação é um problema recorrente, mas só notaram agora isso? Poderiam resolver essa coisa depois do desfile das campeãs?

      Link da matéria: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/carnaval/2019/noticia/2019/02/28/ministerio-publico-move-acao-para-interditar-sambodromo-caso-corpo-de-bombeiros-nao-emita-laudo-de-seguranca.ghtml

    1. Não dá para escrever mais que isso, mas há grupos onde mais de uma escola tem a mesma equipe de pessoas comandando, ainda que os presidentes de direito sejam pessoas diferentes.

Deixe uma resposta para Victor Raphael Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.