Categorizado | Orun Ayé

Respeitem as minas

Respeito(1)

Em briga de marido e mulher se mete a colher, sim.

Esse é o lema que vem ganhando as redes sociais nas últimas semanas derrubando um ditado muito antigo que diz “Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher”.

Confesso que eu mesmo já usei muito esse ditado e com a mesma alegação que a maioria usa “Depois eles se entendem e quem fica mal é você”. Acontece que as pessoas não estão se entendendo. Sinceramente não sei se sempre foi assim e não nos dávamos conta ou se a situação piorou agora com esse tempo de ódio em que vivemos, mas nunca fomos tão agressivos com as mulheres. Nunca elas correram tantos riscos.

Sou um dos homens que sim, não gostam de generalizações como quando a mulher diz que “Todo homem é um agressor em potencial”, não gosto, mas começo a entender a frase. Não me acho um agressor, mas pertenço a uma classe que sempre se achou dominante, que se acha com direitos então em vez de repudiarmos essa expressão devíamos entendê-la.

Agressão não é só a “porrada”, uma das maiores agressões que considero é aquele gracejo dito na rua para uma mulher desconhecida. Cresci com homens mais velhos e amigos assoviando para desconhecidas, falando gracinhas algumas vezes até pesadas para mulheres que nunca viram na vida. Eu sempre fui tímido e nunca fiz isso achando que era um erro meu, mas não, o erro era dos outros.

O que era timidez com o tempo virou incômodo porque é uma invasão. Ninguém sabe o dia que aquela mulher teve. Ela pode estar em um dia infeliz, cheia de problemas, triste e ainda tem que aturar gracinhas de machos. Como se fossem uma presa, um alimento como os expostos em supermercados.

Não, não é ser contra o galanteio, contra a cantada, quando bem feita e com respeito não há nada contra, mas é ser contra a relação abusiva. Não sabe se é abuso ou não? Faça um teste, pense em sua reação se sua mãe ou irmã passassem por isso.

Homem acha que pode tudo e nesse pode tudo decidir sobre tudo. Quem mais discute o aborto é o homem, quem mais condena é o homem quando ele nunca irá gerar uma vida, nunca terá um filho ou irá abortar. Pra ter um mínimo de discernimento para debater esse assunto é preciso entender uma coisa.

Ninguém gosta de abortar, ninguém vai feliz a uma clínica de aborto e se alguma mulher recorre a isso é porque não tem jeito, é com sofrimento. Aborto é uma coisa que marca para sempre a vida de uma mulher.

A outra é que não é a ira de Deus ou uma caneta assinando uma lei que impedirão ou não que um aborto ocorra. Clínicas e mais clínicas clandestinas realizam abortos e todo mundo sabe disso, fora remédios que podem ser utilizados para o mesmo. O que se discute é uma forma de se fazer isso com um mínimo de segurança, com menos riscos. O que existe hoje não é proibição ao aborto, mas uma separação entre mulheres ricas e pobres nos riscos de fazer um.

Assunto difícil, complicado que eu mesmo não tenho opinião formada e acho que nenhum homem tem domínio sobre.

Querem mandar no que a mulher faz com seu corpo, obriga-la a ouvir gracinhas nas ruas mesmo não querendo e a mulher pode confiar nem no cara que escolheu para viver junto, para ter uma vida compartilhada. É de estarrecer a quantidade de mulheres que vem morrendo nas mãos daqueles que deviam lhes fazer felizes, que confiaram construir uma vida juntos. Nada justifica, não existe essa de “ela provocou”. Quando algo nos incomoda normalmente o que fazemos? Nos afastamos. O que nos difere dos animais é que temos inteligência para resolver problemas sem cair sobre atos extremos Matar alguém porque foi provocado ou porque não aguentou uma separação é prova cabal que aquele ser humano não deu certo. Saber lidar com rejeição devia fazer parte do currículo escolar.

Do que adianta a lei Maria da Penha e celebrarmos sua existência se nos contradizemos nos atos? É muito fácil o discurso, o que estou fazendo agora é muito fácil, temos que utilizar no dia a dia.

Não adianta fazer tweet exaltando as mulheres e horas depois contratar um agressor. Não combina com um clube como o Corinthians e que bom que voltou atrás.

Não é fácil ser mulher hoje em dia, mas elas não querem facilidades, mulher nunca teve facilidades para alcançar suas conquistar.

Elas só querem respeito.

Respeite as minas.

Twitter – @aloisiovillar

Facebbok – Aloisio Villar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Visitas

Facebook