Deprecated: get_the_author_ID está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use get_the_author_meta('ID') em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Deprecated: attribute_escape está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use esc_attr() em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Deprecated: attribute_escape está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use esc_attr() em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Continuando nossa análise, mas antes relembrando a legenda:

***** favorito a medalha;

**** está na lista de favoritos à medalha, porém há mais favoritos do que medalhas;

*** não está na lista de favoritos, mas é aconselhável acompanhar para evitar ser surpreendido;

** está no meio dos concorrentes, sem probabilidades de medalha;

* Zebra histórica;

Futebol

masculino – *****

feminino – ***

Com a seleção escalada e a falta de grandes nomes nas seleções adversárias, ao menos uma medalha é quase obrigação do time masculino. O time feminino está bem longe daqueles times fantásticos de 2004 e 2008, mas também não é cego. Com algum empurrão da torcida ainda pode medalhar.

Ginástica Artística

Argolas (Arthur Zanetti) – ****

Solo masculino (Diego Hypólito) – ****

Saltos masculino (Sergio Sasaki) – ***

Individual Geral masculino (Sergio Sasaki) – ***

Barra fixa (Arthur Nory) – ***

Equipe feminina (Daniele Hypólito, Flávia Saraiva, Jade Barbosa, Rebeca Andrade e Lorraine Oliveira) – ***

Solo feminino (Flávia Saraiva) – ***

Trave de equilíbrio (Flávia Saraiva) – ***

Barras Assimétricas (Rebeca Andrade) – **

Na ginástica, todos competem em todos os aparelhos, apenas coloquei ao lado do aparelho aquele nome que eu acho mais forte na equipe brasileira.

A única grande chance de ouro é mesmo Zanetti na prova de Argolas, mas é a prova mais disputada de todos os 10 aparelho da ginástica; não será fácil. Diego vem consistentemente conseguindo notas que o deixariam com a prata ou o bronze no mundial do ano passado no solo; quando não competiu no aparelho por lesão.

20160418_172749Nory se fizer o “feijão com arroz” bem trabalhado dele na barra fixa pode medalhar se um ou dois favoritos errarem. Sasaki está voltando recentemente de lesão gravíssima. Antes da lesão ele fazia 90 pontos no individual geral, pontuação que o colocava na lista de favoritos; porém ele ainda não voltou ao auge da forma, o que deverá ocorrer nos Jogos Olímpicos. A ver como ele se sairá. Além disso, ele sempre teve uma prova de salto muito forte.

A equipe feminina é um enigma. Muitos problemas, especialmente de lesão com Rebeca Andrade, fizeram com que a equipe brasileira nunca tenha atingido seu ápice nesses dois últimos anos; de forma que não sabemos até onde elas poderão chegar. As projeções acima eu fiz de acordo com o que vi in loco no evento teste e do que eu acho que ainda é possível melhorar.

Por isso, ainda pode ter alguma chance que eu não tenha captado.

Ginástica de Trampolim

masculino (Rafael Andrade) – *

Ginástica Rítmica

individual geral (Natalia Gaudio) – *

Conjunto (Emanuelle Lima, Francielly Machado, Gabrielle Moraes, Jessica Maier e Morgana Gmach) – *

Golfe

masculino (Adilson da Silva) – *

feminino (Miriam Nagl e Victoria Lovelady) – *

Parque-Olímpico_Arena-do-Futuro-credito-Renato-Sette-Camara-Prefeitura-do-Rio-2Handebol

feminino – ****

masculino – **

O handebol feminino está muito competitivo e tem 7 times entre os 12 classificados com totais condições de ganhar o ouro. O Brasil está entre eles.

No masculino deve até fazer quartas de final, mas dificilmente passaremos.

Hipismo adestramento

Equipe (Giovana Prado, João Victor Oliva, Luíza Almeida e Pedro Almeida) – *

Individual (os mesmos acima) – *

Hipismo CCE

Equipes (Carlos Parro, Marcio Appel, Marcio Carvalho Jorge e Ruy Fonseca) – **

Individual (os mesmos acima) – **

Hipismo saltos

Equipe (Doda, Eduardo Menezes, Pedro Veniss e Stephan Bacha) – ***

Individual (os mesmos acima) – ***

A equipe brasileira não está entre as favoritas, mas é uma aposta pessoal para medalha surpresa. Quanto ao individual, não temos favoritos, mas todas as pontuações são zeradas para o dia final e muitas surpresas acontecem nessa história, boas e ruins. O Brasil já esteve em ambas as pontas com Rodrigo Pessoa – 2000 e 2004.

Alias, para quem se pergunta sobre Rodrigo Pessoa, por problemas em relação ao cavalo ele está na reserva da equipe.

Deodoro-Centro-de-HoqueiHoquei sobre a grama

masculino – *

O Brasil suou bastante só para conseguir a vaga, mesmo com todas as benesses dadas ao país sede. Não deverá passar da primeira fase.

Judô

Aqui, não tem jeito: a avaliação terá que ser individual.

Feminino até 48kg (Sarah Menezes) – *****

Feminino até 78kg (Mayra Aguiar) – *****

Feminino acima de 79kg (Maria Suelen Altheham) – *****

Feminino até 52kg (Érika Miranda) – ****

Feminino até 70kg (Maria Portela) – ****

Masculino até 60kg (Felipe Kitadai) – ***

Masculino até 66kg (Charles Chibana) – ***

Feminino até 57kg (Rafaela Silva) – ***

Masculino até 90kg (Tiago Camilo) – ***

Masculino até 100kg (Rafael Buzacarini) – ***

Masculino acima de 100kg (Rafael “Baby” Silva) – ***

Feminino até 63kg (Mariana Silva) – **

Masculino até 73kg (Alex Pombo) – **

Masculino até 81kg (Victor Penalber) – **

O judô brasileiro, que teve um ciclo olímpico bem abaixo do esperado, teve resultados ligeiramente melhores esse ano, mas a disparidade entre as equipes femininas e masculina é absurda – a favor delas.

Das 7 judocas brasileiras, 5 são favoritas ao pódio; inclusive ao ouro. A sexta da lista é Rafaela Silva, que vem de péssimos resultados, mas que é “oito ou oitenta”, pode acordar no dia dela e ganhar; exatamente da mesma forma como ela foi campeã mundial em 2013, dentro do Maracananzinho.

Já a equipe masculina continua tendo resultados bem irregulares. Baby está voltando de lesão e se voltar bem buscará medalha em uma categoria fortíssima. Buzacarini teve bons resultados nesse primeiro semestre e pode ser uma aposta. Chibana se voltar a ser o que era antes da lesão também pode ser uma aposta. Mas, como se pode perceber, na equipe masculina tudo não passa de esperanças e apostas.

Levantamento de Peso

Masculino acima de 105kg (Fernando Reis) – **

Outros – *

Lutas (Wrestling)

Feminino até 75kg (Aline Ferreira) – ****

Feminino até 58kg (Joice Silva) – ***

Outros – *

Aline, vice-campeã mundial da categoria em 2014, é uma forte aposta para medalha. Joice não está na lista de extremas favoritas, mas é a atual campeã pan-americana e tem condições de disputar medalha.

Maratona Aquática

10km feminina (Ana Marcela Cunha e Poliana Okimoto) – *****

10 km masculina (Allan do Carmo) – ***

Uma pena que a principal prova de Ana Marcela, os 25km, não seja olímpica, mas ela tem resultados recentes altamente consistentes também nos 10km – inclusive o bronze no mundial de 2015. Junte isso ao fato do trajeto ser na praia de Copacabana, no local da largada da tradicional Travessa dos Fortes, bastante conhecida dos maratonistas brasileiros, e Ana Marcela é favoritíssima ao pódio. Poliana Okimoto não fica atrás e também fica na lista de favoritos: ficou em 6° lugar na mesma prova de Ana Marcela.

Allan não está na lista de favoritos, mas é um dos principais nomes na lista de “outsiders”: com o fator casa em campo, ele tem chances de medalha também.

20160306_121616Nado Sincronizado

Dueto  *

Equipe – *

Natação

200m medley masculino (Thiago Pereira) – ****

Revezamento 4x100m livre masculino (Marcelo Chieriguini, Matheus Santana, Nicholas Oliveira e João de Lucca) – ***

100m peito masculino (Felipe França) – ***

50m livre masculino (Bruno Fratus) – ***

100m livre masculino (Marcelo Chieriguini) – **

4x100m medley masculino (Guilherme Guido, João Gomes, Henrique Martins e Marcelo Chieriguini) – **

Outros – *

Talvez seja mais fácil o Brasil escapar de passar em branco no atletismo do que na natação. Fora Thiago Pereira, não temos ninguém na lista de favoritos.

Fratus até tem condições de repetir a medalha do mundial de 2015 nos 50m livres, mas seus resultados depois do mundial não foram bons e ele está lidando com dores nas costas. O revezamento 4x100m livre pode ser uma aposta para surpresa. Se eles nadarem o revezamento de suas vidas, podem abocanhar a medalha que escapou por muito pouco no mundial de 2015. Felipe França também pode beliscar um bronze se passar algum favorito.

Fora isso, a natação brasileira não passa de torcidas.

Pentatlo Moderno

Feminino (Yane Marques) – ***

Masculino (Felipe Nascimento) – *

Yane Marques, depois do bronze em Londres 2012, nunca mais teve resultados tão expressivos no circuito mundial. Afinal é raro alguém de 32 anos ter um desempenho de medalha olímpica em um esporte tão duro como o Pentatlo Moderno: o auge costuma vir aos 27 ou 28 anos. Porém Yane melhorou seus resultados nas competições no início do ano e ainda não pode ser descartada totalmente.

Polo Aquático

masculino – ***

feminino -*

A seleção masculina, boa parte dela naturalizada da Croácia e outros países, está tendo resultados interessantes e pode ser uma aposta para surpresa em uma eventual disputa de bronze; mas, especialmente após a sétima colocação na Liga Mundial deste ano, não está na lista de favoritos.

A feminina dificilmente se classificaria não fosse a vaga de país-sede.

Amanhã, a terceira e última parte.

Imagens: Ouro de Tolo e Prefeitura do Rio

[related_posts limit=”3″]

14 Replies to “Último Olhar sobre a Delegação Brasileira na Rio 2016 – Parte II”

  1. Parabéns, Rafael, essa série é excelente! Dá um panorama geral e ajuda os que, como eu, acompanham mais atentamente apenas alguns esportes.
    Eu apostaria um pouco mais na ginástica feminina do Brasil. A Flávia Saraiva, por exemplo, tem notas excelentes na trave (no último campeonato que disputou, conquistou uma nota que lhe daria o ouro no Mundial de 2015) – a colocaria com quatro estrelas.
    Falando nisso, apenas uma sugestão: colocar a “legenda” das estrelas nesse artigo, pro camarada não precisar voltar no primeiro artigo pra entender.
    Abraço!

    1. Olá Jader,

      Sugestão já acatada. Sim, a Flávia tem chances na trave, é mais uma três estrelas. Esqueci mesmo, também já consertado.

  2. Materia mto importante para quem ainda não fechou sua programação dos jogos. Ao ler me veio a vontade de adquirir novos ingressos. Parabéns!

  3. Espero que o judô rapele esse ano. Acho que é um esporte que a torcida faz muita diferença. Torcendo muito pra handebol fem, embora o nível de competição seha altíssimo. A única coisa que impede a Fabiana Murer de ganhar uma medalha é ela mesma, desde que não amarele, acho que pelo menos a de bronze tá no papo.

    Vc acha que a equipe feminina da ginástica tem chance de irpra final?

    1. Tereza,

      Se a equipe feminina repetir a apresentação que fez no evento-teste irá para a final com sobras e se Russia, EUA ou China bobearem ainda disputa medalha na final.

      1. Eita. Eu vou nessa competição e tava achando que nem ia ver o Brasil. Mas acho muito difícil os EUA bobear. Só aquela Bailes (?) já é um master trunfo.

        1. A Simone Biles é acima da média, porém no novo formato da final por equipes, qualquer erro é fatal pois não há mais nenhuma nota descartada. EUA, Russia e China estão bem a frente do resto, porém com essa regra, a Russia foi mal na trave no mundial de 2015 e perdeu o bronze para a Grã-Bretanha. É numa dessas que Brasil, Grã-Bretanha ou até o Canadá pode se enfiar no pódio.

          1. Exatamente Eduardo, todos os aparelhos são usados ao mesmo tempo. No caso do feminino, que tem 4 equipamentos, 2 equipes ficam no mesmo aparelho em cada rotação. Na final, em cada aparelho a equipe escolhe livremente 3 de seus 5 ginastas para competir e todas as notas são somadas para se verificar a classificação. Nenhuma nota é descartada.

            No masculino, que tem 6 aparelhos para oito equipes, são 8 rotações com 1 equipe em 1 aparelho em cada rotação e toda equipe tem 2 rotações de descanso.

  4. Estou levando fé no 4×100 medley masculino. E pra mim a Etiene Medeiros em alguma das provas que irá disputar mereceria ao menos **. valeu!

    1. 4×100 medley masculino seria uma bela surpresa. Tem lá seus 5 ou 10% de chance, mas ainda não acredito.

      Talvez Etiene até pudesse ganhar duas estrelas, mas seus tempos nesse ano tem sido um tanto decepcionantes.

  5. Acho que João Jr tem mais chances que Thiago. É só ver os tempos e comparar com Kazaan ou mesmo com Londres. O Guilherme Guido e Chierighini também tem boas chances, além do próprio Fratus, já que 50 livres, chegando na final, a diferença entre 8º e 1º sãop mínimas, e ele tem potencial.

Comments are closed.