Deprecated: get_the_author_ID está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use get_the_author_meta('ID') em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Deprecated: attribute_escape está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use esc_attr() em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Deprecated: attribute_escape está obsoleto desde a versão 2.8.0! Use esc_attr() em seu lugar. in /home/pedromig/public_html/ourodetolo/wp-includes/functions.php on line 4713

Jorge Luiz Rodrigues (foto acima), 48 anos, geminiano, jornalista esportivo há 27, especializado em esportes olímpicos, incluindo o futebol, nas questões envolvendo cartolas, Fifa e quejandos. Cobriu 6 Copas do Mundo (todas desde a Itália-1990) e 5 Olimpíadas (todas desde Barcelona-1992). Torcedor vascaíno, mas apaixonado pelo Nottingham Forest, clube da Segunda Divisão inglesa, todavia bicampeão da Europa nas finais de 1979 e 1980. Tem 3 filhos, um deles, o caçula, é meu xará, e uma rivalidade além da carioca, britânica, pois tenho simpatia pelo Reading na mesma divisão.

Acompanho o trabalho do jornalista desde seu primeiro blog no jornal O Globo, de 2003 a 2006, a partir do qual estabelecemos um contato constante. Na época em que viveu na África do Sul no período pré-Copa  de 2010 manteve um novo blog no jornal (África10), mas infelizmente inativo após a competição. Esperamos o seu regresso próximo.

Curiosamente, só viemos a nos conhecer pessoalmente há pouquíssimo tempo, em um almoço recheado de saborosas histórias. Jorge Luiz Rodrigues é o entrevistado de hoje da coluna “Jogo Misto” do Blog Ouro de Tolo.

1 – Você esteve “do outro lado” na Copa da Alemanha, trabalhando na assessoria de imprensa da Fifa. Como foi a experiência ? E quais as dificuldades enfrentadas na organização de um trabalho deste porte?

JLR: Foi fascinante porque pude descobrir o outro lado, aprender como uma Copa do Mundo é preparada por dentro, as dificuldades, os desafios, as superações, as derrotas e as vitórias. Como bem disse o meu editor-chefe no Globo, Rodolfo Fernandes, “uma pós-graduação que não existe no mercado”. Além disso, abri portas na Fifa, fazendo muitos contatos, que até hoje me são úteis na hora de cobrir eventos, apurar bastidores e notícias sobre a entidade. Fui convidado a voltar em 2010, para a Copa do Mundo da África do Sul, mas não aceitei porque vi o que queria ver em 2006. A Copa da África do Sul foi a oportunidade de melhorar meu trabalho como jornalista, o que sou.

2 – Você morou seis meses na África do Sul antes da Copa de 2010. Quais as principais semelhanças e diferenças do modo de vida entre a África do Sul e o Brasil? Quais as lições que podemos tomar da organização da Copa de 2010?

JLR: A África do Sul é um país com potencial incrível de crescimento e que, em apenas 16 anos de liberdade, desde o fim do apartheid, conseguiu organizar uma Copa do Mundo incrível. A desigualdade social ainda é imensa na África do Sul, mas é um país que só veio conhecer a liberdade em 1994. A maior lição não aprendemos. A de não deixar para depois o que pode ser feito antes.

A Copa-2014 será uma festa, sem dúvida. Mas o atraso nas obras de infraestrutura, como aeroportos e melhorias no transporte público, vai custar muito mais caro e ainda causar dor de cabeça ao torcedor e ao visitante. Esse seria um dos grandes legados do evento. E o Brasil está perdendo tempo precioso.

3 – Quais suas expectativas para a organização da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016? Que legado poderemos esperar da realização dos dois eventos?

JLR: Sobre a Copa, penso já ter respondido. Sobre as Olimpíadas, creio que o grande erro é ter feito o Parque Olímpico na Barra. O exemplo de Londres-2012 deveria ser considerado, pois levou o coração dos Jogos para o Leste de Londres, uma área degradada, que está sendo toda revitalizada. As Olimpíadas seriam a grande oportunidade de unir um Rio partido através deste megaevento. Mas a Olimpíada não chegará nem perto de Santa Cruz ou da Favela de Antares, onde os índices de criminalidade são alarmantes, e se concentrará numa parte da Zona Oeste que não precisa dos Jogos quanto dezenas de outras áreas da cidade.

4 – O que um clube como o Nottingham Forest (acima, de vermelho, em partida contra o “meu” Reading na temporada 2008/09) pode ensinar aos dirigentes brasileiros sobre gestão esportiva? O que você considera de interessante em termos de administração de clubes e de dirigentes brasileiros ? E as perspectivas para 2011 neste aspecto ?

JLR: Nenhum clube do Brasil, nenhum mesmo, tem a estrutura do Nottingham Forest. Eu já o visitei, até em seus centros de treinamento para divisões de base, e nunca vi algo que chegasse perto em nosso país. Isso numa cidade a 202km de Londres, mais conhecida pela lenda de Robin Hood. Estamos falando de um clube que não está nem entre os 10 maiores da Inglaterra. 

Mas é um clube fundado em 1865, é um dos mais antigos do mundo, e que já ganhou 2 títulos da Copa dos Campeões Europa, que hoje é o que conhecemos como Liga dos Campeões da Uefa. O Nottingham Forest leva 21 mil pessoas em média aos seus jogos na Segunda Divisão e é apenas um entre os clubes que sabe como valorizar seu torcedor. Nada se compara a Inglaterra em matéria de fazer do futebol um programa nota 10 para entreter o público.

5 – Um livro inesquecível. Por quê?

JLR: Cem anos de solidão, de Gabriel García Márquez. É simplesmente espetacular.
6 – Uma canção inesquecível. Por quê?

JLR: Saindo de mim, de Ivan Lins e Vítor Martins. Tem um pouco de mim.

7 – Um filme ? Por quê?

JLR: Tropa de Elite 2: é extraordinariamente real.

8- Fez algum grande amigo em sua profissão?

JLR: Dois grandes amigos são Telmo Zanini e Armando Augusto, o Manduka. Jornalistas do primeiro time e pessoas da mais alta estirpe, sempre carinhosas e dando atenção aos amigos. Estão em meu coração para sempre.

9- Uma citação?

JLR: “Gratidão, nunca se esqueça dela. Você pode precisar novamente”. Frase de seu Osmar, meu pai, meu ídolo, que lá de cima tem uma visão mais clara sobre isso aqui embaixo.

10 – Finalizando, com os agradecimentos do Ouro de Tolo, algumas poucas palavras sobre o blog ou seu autor/editor

JLR: Um prazer reencontrar o amigo. Trocas de experiências e estabelecimento de vínculos de amizade com leitores são alguns dos momentos legais desta nossa profissão. 
Feliz Natal e um 2011 maravilhoso de paz e saúde a você e aos seus leitores.