Paolo Guerrero não é mais jogador do Flamengo. Está a caminho do Internacional.

Já era esperado que fosse embora, a questão é, ele deixou de ser jogador do Flamengo agora? Vamos ser sinceros, Guerrero deixou de ser jogador do Flamengo ano passado quando foi suspenso por doping. Esse ano ainda fez algumas partidas pelo clube, mas só fisicamente, a alma já estava longe.

Essa passagem pelo peruano é controversa. Foi bastante amado pela torcida, idolatrado, para ele fizeram músicas e a expressão “Acabou o caô”. Até a copa pelo menos, mesmo com tudo que lhe envolvia, a torcida mostrava muito carinho por ele. Difícil de entender, mas também fácil de entender.

Entregou muito menos do que se esperava dele. Não foi artilheiro no clube, apesar que não foi em clube nenhum. Fez pouquíssimos gols decisivos, passou três anos no Flamengo sem marcar um gol no Vasco, mas fazia bem o papel de “pivô”, dava qualidade ao ataque, no passe.

Por essa qualidade é fácil de entender a idolatria, por seu carisma também, mas o que demonstra realmente motivo para isso foi nem o futebol dele, mas o que ele simbolizou. Guerrero foi a primeira grande contratação dessa nova era rubro-negra. A primeira depois das “vacas magras”, do apertar do cinto. Uma contratação bombástica tirando o principal jogador do clube até então mais poderoso do país. Vários questionaram se o Flamengo teria como pagar, muito por seu histórico,

Teve. Teve como pagar Guerrero e depois Diego, Diego Alves, Everton Ribeiro, Vitinho..A imprensa paulista passou dias, semanas dizendo que o Flamengo não pagaria o Guerrero e o peruano vai embora três anos depois sem uma notícia de salários atrasado, de um dia sequer.

Aí está o grande símbolo da passagem do Guerrero pelo Flamengo, do surgimento do novo Flamengo.

E vamos ser sinceros, só por isso. Aí vem a parte que não entendo a idolatria. Entregou muito menos o que esperava e sai mal do clube. Ficou meses sem jogar e ainda teve a ousadia de reclamar por ter o salário suspenso mesmo tendo sido punido jogando pela seleção peruana. Nenhum momento mostrou realmente amor, carinho nessa passagem pelo Flamengo. Foi profissional ao extremo, profissional até demais como foi com o Corinthians.

Com média de 3 gols a cada 10 jogos. Média nem tão ruim assim, o difícil era chegar a 10 jogos, Guerrero vai embora. Menor esportivamente que Obina e Brocador foram no clube. Inesquecível administrativamente pelo que representou sua passagem.

Guerrero deu errado no Flamengo que deu certo.

Deu certo na administração, porque no campo…

O caô continua..

Twitter – @aloisiovillar

Facebook – Aloisio Villar

[related_posts limit=”3″]

One Reply to “O adeus de quem já foi”

Deixe uma resposta para ALEKSANDRO XAVIER CALVO Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.